Um estudo conduzido pela Society for Neuroscience, em 2015, revelou que o jejum intermitente oferece “enormes implicações para a saúde do cérebro”. Segundo o estudo, que foi realizado tanto em seres humanos quanto em animais, a prática estimula o cérebro de várias maneiras diferentes: promove o crescimento de neurônios, ajuda na recuperação após um acidente vascular cerebral, ou qualquer outra lesão cerebral, e melhora o desempenho da memória. Não só o jejum intermitente ajuda a diminuir o risco de um praticante de desenvolver doenças neurodegenerativas como Parkinson ou Alzheimer, mas também há evidências que demonstram que pode até mesmo melhorar tanto a função cognitiva como a qualidade de vida das pessoas que vivem nessas condições.

O especialista afirma que uma das vantagens do jejum é que a queima de gordura ocorre sem a perda da massa muscular, também conhecida como massa magra. “A massa é mantida porque o jejum eleva o hormônio do crescimento e isso previne qualquer queima de músculo”, diz ele. Polesso explica que o músculo é um tecido metabolicamente ativo, ou seja, ele consome energia e caloria somente por existir. “Perder massa muscular não é adequado para o processo de emagrecimento.”
A dieta proposta no estudo consiste em comer apenas em uma faixa horária do dia, em particular por 8 horas, daí o nome de dieta do jejum intermitente 16:8 que, testada em indivíduos obesos, em particular 23 com a média de idade de 45 anos e um índice de massa corporal médio de 35 (tendo em conta que 30 é o limiar, para além do qual, a OMS fala em obesidade).
Os vegetarianos também adoecem menos do coração, porque seu níveis de colesterol são baixos e sua pressão fica melhor controlada. E ainda estão protegidos contra diabetes, que se tornou epidemia global. Os adeptos da dieta vegan - os vegetarianos extremos, que passam longe de qualquer produto de origem animal, incluindo carnes, ovos, leite e seus derivados - são os mais magros de todos, segundo Marcela Knibel, autora de "Nutrição contemporânea - Saúde com sabor" (Rubio, com Dora Cardoso). A dieta rica em vegetais eleva em 16% o efeito térmico dos alimentos por até três horas após a refeição.
Estudos em muitos países mostraram que a taxa de morte por doenças cardiovasculares em vegetarianos é muito menor do que nos não-vegetarianos. Pensa-se que a comida vegetariana contém mais fibras, menos gordura, menos colesterol, alta proporção de gorduras poliinsaturadas e gorduras saturadas. A doença arterial coronária é um tipo de doença que está associada com o colesterol no sangue.

Mas cuidado: as palavras "vegan" e "vegetariano" apenas definem o que as pessoas que seguem esta dieta, não comem, enquanto por trás do conceito de 'dieta baseada em vegetais' se esconde a definição do que realmente é consumido. Por que dizer não aos produtos de origem animal, não significa necessariamente comer alimentos saudáveis, advertem os pesquisadores.
Você já ouviu falar que uma porção de carne terá 133 litros de água para o processo de produção de carne? Este é comparado com um bruto de dois a cinco litros por porção da maioria dos alimentos de origem vegetal. Na fase da água faltando mundo a cada dia, o que todo mundo precisa fazer é salvar tanta água quanto possível para salvar a vida dos outros em particular, e vidas do planeta em geral. O aumento da água também aumenta a quantidade de água empresas cobrar-lhe, para que não são apenas afetando os outros por comer muita carne, mas também levantando muitas exigências, incluindo a água para o processamento de alimentos.
Existem diversos protocolos de jejum intermitente que pedem mais ou menos horas de jejum. Antes de conhece-los, no entanto, é importante ressaltar que a escolha da melhor forma de seguir um jejum intermitente deve ser conversada com um especialista (seja endocrinologista, nutrólogo ou nutricionista), que fará exames específicos e saberá dizer o melhor protocolo para sua saúde.
A preferência é que coma normalmente nesse período, e o melhor é que o seu normal seja uma alimentação bastante saudável. Ainda assim, os estudos mencionados simplesmente não controlavam a alimentação das pessoas no período em que podiam comer. Se as pessoas comiam muito, pouco ou normal, é impossível saber. O fato é: as pessoas estavam livres para comer como quisessem na fase de alimentação, e os resultados foram positivos.
É realmente alarmante o número de pessoas que praticam atividades físicas, se alimentam bem, mas mesmo assim ainda não conseguem atingir o corpo dos seus sonhos. No entanto, o que elas e provavelmente você também não saiba é que existe uma maneira de contribuir para que o processo de emagrecimento seja mais rápido e você consiga atingir, definitivamente, o corpo que sempre sonhou.

Os vegetarianos são geralmente no menor risco de obesidade e excesso de peso do que outros. Portanto, eles são menos propensos a sofrer de obesidade - doenças relacionadas, tais como diabetes, cálculos biliares, hipertensão e doença arterial coronariana. No entanto, se você quer alcançar estes benefícios de saúde da dieta vegetariana, você deve praticar o vegetarianismo da maneira correta e adequada: evitando perda de peso e ser magro. Se as pessoas, como crianças e adolescentes seguir esta dieta, o seu crescimento pode ser afetado negativamente. Se as mulheres grávidas seguir uma dieta vegetariana, eles podem tornar-se abaixo do peso, menor ganho de peso e enfrentar o risco de baixo peso ao nascer. Portanto, as pessoas devem seguir esta dieta, dependendo da sua situação e sua condição corporal.
Quando o assunto é emagrecimento, existem muitos modismos, remédios, suplementos milagrosos e por aí vai. Todos eles fazem grandes promessas, porém, às vezes apresentam poucos resultados, além dos efeitos colaterais e riscos para a saúde. Outra opção é inserir chás para acelerar o metabolismo na sua dieta, que além de ser uma alternativa mais saudável e natural, pode trazer resultados seguros e eficazes.
- Por não consumirem produtos de origem animal, vegetarianos não comem gordura saturada e, portanto, acumulam menos calorias. Para ter ideia, um grama desse nutriente tem 9kcal. Vegetarianos ainda comem mais fibras de frutas, legumes, verduras, cereais integrais e leguminosas; e as fibras saciam. Então a ingestão de calorias total do dia é pouca - explica Marcela. - Um fato que sempre achei, e que o artigo mostra, é que vegetarianos são mais preocupados com a qualidade de vida. Isso também ajuda a emagrecer. Alimentação deve ser equilibrada e fracionada
Na semana passada, foi noticiado em vários sites (exemplo) que a “dieta vegana” é “mais aconselhada” do que a onívora para perda de peso. Propagando a crença errônea de que veganismo pode ser definido como uma simples dieta vegetariana desprovida de objetivo ético, percebemos como é urgente que discutamos a reafirmação do veganismo como uma prática ética abrangente, não simplesmente uma opção alimentar.
Evite dietas radicais. Tudo que é extremo não é tão saudável. Seja preparar sucos, jejum ou apenas cortar um grupo de alimentos, se não for sustentável, provavelmente não é tão bom. Você pode ver ótimos resultados inicialmente, mas no longo prazo isso mexe com seu metabolismo e no final acaba tendo impacto negativo em você. Então, repetindo, evite dietas radicais. Seja saudável e evite extremismos.
Alguns nutrientes encontrados na alimentação de um vegetariano podem evitar várias doenças. "O único nutriente que precisa ser suplementado em uma dieta vegetariana é a vitamina B12", pontua Dr. George. Todos os outros nutrientes podem ser encontrados nos vegetais. Com isso a pessoa evita essa deficiência e garante os benefícios de prevenção de doenças crônicas e degenerativas como o infarto, derrame, hipertensão, diabetes, obesidade e algumas formas de câncer.

Pesquisadores da Universidade de Oxford seguiram 35.000 indivíduos com idades entre 20 a 89 por um período de cinco anos e a conclusão foi que veganos são 30% mais propensos a fraturar um osso do que vegetarianos e onívoros. Um estudo posterior feito na Austrália concluiu que vegetarianos tinham ossos 5% menos densos do que os não vegetarianos. Isto pode ser atribuído a um consumo menor de cálcio devido às limitações da dieta. O assunto é sério, osso não dói e a osteopenia/osteoporose pode se desenvolver de forma silenciosa.


Este é também um dos melhores benefícios de saúde ao lado dos benefícios da dieta vegetariana na perda de peso que você não deve ignorar se você quer viver uma vida saudável, livre de doença de pedra nos rins. Comer alimentos vegetarianos vai ajudar as pessoas a liberar menos cálcio, oxalato, e ácido úrico através da urina do que as pessoas normais. Por isso, eles terão menor risco de pedras nos rins que os não-vegetarianos.

"Os resultados que temos visto neste estudo são semelhantes aos observados em outros estudos sobre o jejum intermitente - explica Kristina Varady, a autora do estudo - mas um dos benefícios da dieta 16:8 poderia ser uma maior facilidade de execução em médio-longo prazo. Observamos que menos participantes deixaram este estudo em comparação a outros em outras dietas".
Ultimamente ser vegetariano está se tornando muito comum entre as pessoas, algumas por motivos culturais, religiosos ou até mesmo por conta da saúde. Segundo uma pesquisa realizada em outubro de 2012 pelo IBOPE, cerca de 15,2 milhões de brasileiros se declaram vegetarianos. Isso corresponde a 8% da população do país. O estado do Ceará está no topo do ranking com a maior população vegetariana do Brasil, 350 mil pessoas.
Ao investir em uma dieta vegetariana tradicional, você automaticamente vai passar a ingerir alimentos naturais, que são ricos em nutrientes importantes, como vitaminas e fibras, mas extremamente pobres em calorias, o que vai implicar no emagrecimento. Fazendo essa dieta de forma controlada, você irá começar a perder peso de forma rápida e constante, desde que tenha muita disciplina e não caia nas tentações.
O chá de Pu-erh previne a formação de células adiposas enquanto promove a oxidação de ácidos graxos no corpo. Estudos mostram que ele suprime a conversão de ácidos graxos em gordura e reduz a produção de colesterol. Isto acontece porque ele é rico em teanina, cafeína e catequinas, que são três substâncias conhecidas pela sua capacidade de queimar gordura e aumentar o metabolismo.

A preferência é que coma normalmente nesse período, e o melhor é que o seu normal seja uma alimentação bastante saudável. Ainda assim, os estudos mencionados simplesmente não controlavam a alimentação das pessoas no período em que podiam comer. Se as pessoas comiam muito, pouco ou normal, é impossível saber. O fato é: as pessoas estavam livres para comer como quisessem na fase de alimentação, e os resultados foram positivos.
As frutas e grãos integrais são ricos em fibras, além de muitas plantas conterem antioxidantes, minerais e outros produtos químicos naturais que protegem a saúde. As fibras ajudam a retardar a velocidade com que a comida deixa o estômago e garante a boa digestão. Também permite que nutrientes suficientes sejam absorvidos enquanto o alimento se move através dos intestinos. Várias pesquisas têm relatado que o consumo de fibras ajuda na perda de peso.
Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.
Uma última consciente de observação para a dieta vegetariana plano de perda de peso é o consumo de soja. A soja é um bem comum e, por vezes, popular fonte de proteínas para vegetarianos, especialmente no delicioso Asiática. Mas muito de uma coisa boa pode causar problemas, e o excesso de consumo de soja tem sido ligado a distúrbios da tireóide e retardar a perda de peso. No entanto, isso não significa que você deve totalmente cortá-lo de sua dieta, porque ele fornece a proteína que você precisa. Em vez de levá-lo com moderação.
A taxa metabólica basal (TMB) é a quantidade de energia que seu corpo precisa para manter as funções básicas quando você está em repouso e várias coisas podem influenciar sua taxa metabólica, entre elas a genética, idade, gênero (os homens tendem a ter uma TMB mais alta que as mulheres), peso, altura, estrutura corporal e alimentação. Alguns distúrbios médicos, medicamentos e clima também podem interferir.
×