RIO - Dietas têm muitos nomes, mas a única que leva a uma radical perda de peso é a vegetariana. E isto vale especialmente para quem nunca fez. Esta é a conclusão dos médicos americanos Susan E. Berkow e Neal Barnard, depois de analisarem 40 estudos diferentes relacionando hábitos vegetarianos e massa corporal. Os dois notaram que as mulheres vegetarianas pesam de 6% a 17% menos do que as que são carnívoras. E o mesmo vale para os homens: os que não comem carne são de 8% a 17% mais magros. INFOGRÁFICO: O prato do brasileiro
Até um certo ponto, todas estas dietas mostram alguns resultados pois todas elas obedecem á segunda lei. Ao reduzir a quantidade de calorias que ingerimos, estamos a reduzir gorduras. Infelizmente, perder peso não é assim tão simples, como todos aqueles que já tentaram bem o sabem. Além disso, contar as colorias que se ingerem está tão fora de moda como o conceito de que o sol anda á volta da terra. O problema é que o corpo não coopera. Se você tentar perder peso com: fazer mais exercício e comer menos, o seu corpo irá tentar compensar ao metabolizar mais eficazmente. O corpo tem um peso fixo, ao qual os peritos em obesidade chamam "ponto de retorno", que é um peso ao qual o corpo está sempre a tentar regressar.
4. Coma à noite, sim! - outro mito que precisa ser derrubado agora - e já vai tarde. Ficar sem comer à noite ou não comer carboidrato no jantar não vão trazer bem algum para sua perda de gordura, especialmente se você se exercita pela manhã. Só o café não vai dar conta de te alimentar o suficiente e, de novo, o organismo vai lá na massa magra pra procurar energia. “Não há diferença se você consumir carboidrato de dia ou à noite, desde que esteja em quantidade adequada. À noite, prefira alimentos menos calóricos, com baixo teor de gorduras e de fácil digestão”, aconselha Paula Castilho.
Quando se faz refeições pequenas a toda hora, o corpo está constantemente produzindo insulina e nunca chega ao estágio de queima. Além disso, nunca vai se sentir 100% satisfeito. Por isso, em vez de fazer de cinco a seis refeições pequenas por dia, faça três refeições principais maiores e dois lanches. É a mesma ideia ajustada para ser mais eficaz.[5]
Cortar carboidratos do prato, comer uma dieta rica em proteínas e praticar exercícios físicos duas vezes por semana. Este é um resumo das principais dietas populares que grande parte das pessoas seguem para emagrecer. No entanto, um estudo realizado pelo E-DA Hospital, em Taiwan, mostrou que aqueles que seguem uma dieta vegana atingem melhor os seus objetivos. As informações são do ‘The Daily Mail’. 
Para evitar deficiências nutricionais é essencial cuidar muito bem do que se põe no prato. De acordo com a American Dietetic Association, não é necessário que a complementação do perfil de aminoácidos seja absolutamente precisa, e nem é preciso que ocorra exatamente na mesma refeição, ou seja, a proteína consumida no almoço pode ser complementada com a proteína ingerida no jantar ou em qualquer outra refeição do dia, para melhorar a qualidade do conjunto de aminoácidos essenciais utilizados pelo corpo.
Se isso soa dura ou mesmo irreal, considere a história do escocês. Lá em 1965, um escocês obeso de 27 anos e 205kg foi ao Departamento de Medicina em Dundee, Escócia, com um problema. Ele precisava perder peso. 1/8 de tonelada, para ser exato. Os doutores sugeriram que deixar de comer por alguns dias talvez pudesse ajudar. Era apenas uma recomendação improvisada, mas nosso escocês (conhecido apenas como "AB") realmente a adotou. Ele permaneceu no hospital por vários dias, tomando apenas água e pílulas de vitaminas enquanto se submetia a observações para garantir que nada de errado acontecesse. Quando seu tempo de internação acabou, ele continuou o jejum em casa, retornandoao hospital apenas para monitoramento regular. Após 1 semana, ele tinha perdido 2.2kg e se sentia bem. Seus sinais vitais foram chegados, a pressão estava normal, e apesar de ele ter glicemia mais baixa que a maioria dos homens, ele não se sentiu particularmente incapacitado por ela. O experimento continuou... por 382 dias.

Além disso, conforme estudos anteriores, dietas vegetarianas e veganas com baixo teor de gordura promovem um maior controle glicêmico e reduzem fatores de risco cardiovascular. “O vegetarianismo já provou ser mais efetivo para a perda de peso. Agora, mostramos que a dieta vegetariana pode ser muito mais efeito na redução de gordura muscular, promovendo melhora no metabolismo“, disse Hana Kahleová, diretora de pesquisa da organização sem fins lucrativos Physicians Committee for Responsible Medicine, nos Estados Unidos, ao site especializado Medical News Today.


Porém, de acordo com Cintya Bassi, nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, é importante lembrar que se o consumo dos chás para emagrecer não for aliado à uma dieta equilibrada e a prática de exercícios físicos, o resultado pode não ser o desejado. A orientação de um especialista também é importante, especialmente para gestantes, hipertensos ou pessoas que sofrem de alguma outra patologia.
As dietas veganas só incluem produtos de origem vegetal para suprir as necessidades alimentícias e de nutrientes do organismo. Sendo assim, ela não possui qualquer produto animal, como carne, peixe, ovos, mel ou laticínios.[1][2] Os veganos são mais saudáveis e magros e têm menos colesterol, pressão mais baixa e poucos riscos de ter doenças cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de câncer.[3][4] Se você quer adotar esses hábitos para perder peso, entenda o que a dieta envolve, como ingerir todos os nutrientes necessários e evitar o que é nocivo.
Pesquisadores da Universidade de Oxford seguiram 35.000 indivíduos com idades entre 20 a 89 por um período de cinco anos e a conclusão foi que veganos são 30% mais propensos a fraturar um osso do que vegetarianos e onívoros. Um estudo posterior feito na Austrália concluiu que vegetarianos tinham ossos 5% menos densos do que os não vegetarianos. Isto pode ser atribuído a um consumo menor de cálcio devido às limitações da dieta. O assunto é sério, osso não dói e a osteopenia/osteoporose pode se desenvolver de forma silenciosa.
À primeira vista pode parecer uma bizarrice, mas o método seguido pelo gaúcho radicado no Rio é um protocolo formal adotado em tratamentos contra a obesidade e atende pelo nome de jejum intermitente. E, claro, é cuidadosamente aplicado por profissionais capacitados. Trata-se, basicamente, de cortar, por um período predeterminado e acompanhado de forma criteriosa por especialistas, os alimentos sólidos, sem deixar de beber água e líquidos não calóricos, como chás e cafés — sem açúcar, claro. Na prática, seus seguidores pulam as refeições e, em vez das três habituais, fazem duas ou apenas uma ao dia. O resultado vem na forma de uma perda de peso significativa, consistente e em um espaço de tempo relativamente curto. “O jejum induz o corpo a usar o seu próprio estoque de gordura como fonte de energia rápida, acelerando o emagrecimento. Isso é sabido há muito tempo. O que ninguém conhecia em detalhes era como se dava esse processo, porque cada paciente reage de uma maneira diferente à abordagem”, explica o clínico geral e mestre em endocrinologia Fabiano Serfaty. “Daí a necessi­dade de acompanhamento médico para saber se você pode adotá-lo como mais uma ferramenta — e não a única — na luta contra a obesidade.”
Minha altura 1,75 m e comecei o J.I. em 07/11/2017 com 74,8 kg e hoje 16/11/2017 estou com 71,4 kg, ou seja, menos 3,4 kg. Faço dàs 14:00 até 06:00, café da manhã com tapioca recheada com presunto light, queijo ultrafiltrado, tomate picado e orégano e para acompanhar uma caneca de café com leite. Lanche da manhã (se me der fome) mix de castanhas e uva passa. Almoço por volta das 12:00, como a quantia que caiba em um prato de sobremesa com salada verde e alguma carne grelhada. Durante todo o dia bebo água e café sem açúcar. Sofri um pouco nos 4 primeiros dias pelo vício da gula, hoje vejo que nunca foi fome e sim muitos desejos gastronômicos. Quero estabilizar meu peso na casa dos 63 kg, pois ultimamente ele estava oscilando demais, de 1,5 kg a 2,0 kg ao dia para cima e isso estava me deixando incomodada. Intenção sem ação = a nada. Então chega!!! Atitude, vamos cuidar do templo da nossa alma.
Além disso, as mensagens que, vindas dos defensores dos Direitos Animais, orientam a população para que se torne vegana e definem o veganismo como ato de respeito aos animais perdem parte do sentido e da força. Quem se beneficia desse enfraquecimento são os exploradores de animais (pecuaristas, indústrias lacto-frigoríficas, donos de granjas, consumidores fanáticos de carnes e laticínios etc.), além de oportunistas como Beyoncé, usuária de casacos de pele que há um tempo atrás adotou uma “dieta vegana” temporária e depois abriu uma empresa de produtos “para vegans”.
Kahleová acrescenta que os resultados são particularmente importantes para doentes de diabetes tipo 2 e síndrome metabólica: “Esta descoberta é importante para pessoas que estão a tentar perder peso, incluindo pessoas que sofrem de síndrome metabólica e diabetes tipo 2. Mas também é relevante para qualquer pessoa que leve a sério o seu controlo de peso e queira permanecer saudável.”
É importante ressaltar que a gordura corporal, principalmente na região abdominal (onde mais se acumulam aqueles “pneuzinhos”), pode promover diversos danos à saúde, inclusive maior risco desse  desenvolver doenças cardiovasculares. Além disso, se você pretende conquistar um corpo definido e sarado, saiba que eliminar as gordurinhas é essencial, uma vez que a definição muscular só ocorre quando o percentual de gordura se encontra em níveis adequados!
O motivo, de acordo com os médicos responsáveis pela pesquisa, mostra que a ingestão abundante de grãos integrais, frutas e vegetais podem desempenhar papeis favoráveis em dietas vegetarianas. Além disso, produtos integrais e legumes, geralmente têm um baixo índice glicêmico, não acumulando níveis de açúcar no sangue. O fato ajuda a retardar a velocidade à qual o alimento sai do estômago e assegura uma boa digestão.
“Durante a dieta, eu tomava o chá verde Dr. Dukan todos os dias. Não tinha um horário específico, mas gostava de tomar pois sentia os efeitos estimulantes e termogênicos da pimenta caiena. Gostei tanto que continuo tomando o chá mesmo depois de ter terminado a Dieta Dukan. Sinto uma disposição maior quando tomo o chá, isso às vezes me ajuda a fazer as atividades físicas do dia”, relata Adriana.
×