Estou com a mesma estrutura sua o mesmo peso 91 quilos, treino pesado a uns 16 meses e continuo barrigudo de verdade só que grande pra cima músculos, então li agora sua experiência e fiz sem querer essa semana jejum intermitentes, minha última refeição foi as 20:00 horas e fiquei sem fome até as 14:00 depois que cheguei da academia, comi proteínas e salada apenas. Uma semana perdi 2 quilos, alias 5 dias, to me sentindo bem e tranquilo porém o final de semana chegou e geralmente tomo uma gelada e bastante ai volta tudo de novo, pretendo aguentar ficar sem beber algumas semanas se aguentar.
5. Beba bastante água - a hidratação é essencial para quase todas as funções do corpo humano e ajuda a manter a temperatura corporal estável. É muito comum em dietas restritivas a perda de peso ser pura desidratação. Não existe uma quantidade certa de líquido ideal para todos. Ela depende das atividades físicas, clima, peso, metabolismo, dieta, etc. O único jeito de saber se você está ingerindo uma boa quantidade de água é olhando para o seu xixi. Se ele estiver amarelo-claro, está tudo certo. Se estiver escuro ou com odor forte, aumente já a quantidade diária.

A cada ano, profissionais de saúde e pesquisadores buscam estratégias confiáveis ??e cientificamente apoiadas para perda de peso bem-sucedida. Ao mesmo tempo, dietas extremas e planos de emagrecimento - tanto o absurdo (dieta da sopa de repolho) quanto o mais sensato (dieta mediterrânea) - aumentam a popularidade. Dois desses planos - a dieta vegana e a dieta cetogênica - estão em polos opostos em termos de estratégia alimentar, mas ambos são populares por sua promessa de perder os quilos extras. A dieta cetogênica (ceto) é uma dieta rica em gordura e baixo teor de carboidratos. Ela enfatiza fontes ricas de gordura, como produtos lácteos e abacate, com porções moderadas de proteína e muito poucos carboidratos. A dieta vegana é um plano alimentar baseado em plantas. Elimina todos os alimentos que vêm de fontes animais, mas é rico em vegetais, frutas e grãos integrais.


Ao longo da nossa história evolutiva muitos foram certamente os momentos em que nos vimos obrigados a um jejum prolongado. Alimentos disponíveis a toda a hora é algo recente para a nossa espécie. Como tal, mal estaríamos se não tivéssemos evoluído com mecanismos para lidar com o jejum e sobreviver a esses períodos de fome. No entanto, a necessidade não é sinónimo de vantagem. Estas adaptações são mecanismos de sobrevivência para um contexto específico, e isso não significa de todo que seja o melhor para a nossa saúde no contexto em que vivemos hoje. E convinhamos que o jejum é uma prática íntima à nossa espécie, romântico por assim dizer. A ideia de que com uma penitência e sacrifício vamos expurgar os pecados da vida mundana. E não serão muitas as religiões que não doutrinam a prática regular ou esporádica de jejuar. Na verdade, muitos dos escassos estudos em modelo humano sobre o jejum intermitente foram realizados com Muçulmanos no Ramadão. 
Os estudos que conhecemos com o IF em humanos são curtos em duração, curtos demais para percebermos o efeito que este padrão alimentar tem realmente na composição corporal e saúde quando adoptado para a vida, ou por um longo período de tempo. Pensando de uma forma evolucionista, o jejum será um sinal externo de ausência de alimento e de um ambiente hostil. Nestas condições o corpo é obrigado a mobilizar reservas, mas ao mesmo tempo garantir que no futuro conseguimos lidar melhor com um factor de stress semelhante – criar mais reservas. Estas adaptações são mediadas hormonalmente por um aumento do cortisol, redução das hormonais sexuais (estradiol e testosterona), leptina, e T3. Pela minha experiência, a tendência a médio-longo prazo da prática de IF é um aumento da acumulação de gordura na faixa abdominal, frontal e flancos essencialmente, e perda de massa muscular generalizada. Um padrão que podemos designar por “falso magro”, com um peso normal mas com uma elevada relação entre a gordura abdominal e membros. Nas mulheres é também comum ocorrerem distúrbios do ciclo menstrual decorrentes da diminuição da leptina, estradiol e progesterona. Consequências reversíveis com a mudança de práticas alimentares.
Para o jejum começar a fazer efeito e a trazer benefícios, Polesso afirma que é preciso ficar mais de 12 horas sem comer. Ele costuma indicar o protocolo 16/8, no qual o paciente permanece 16 horas em jejum e faz todas as refeições no período de 8 horas, mas existem pessoas que ficam até 24 horas sem se alimentar. “Quem costuma jantar às 20h, por exemplo, pode pular o café da manhã no dia seguinte e almoçar às 12h", explica. "O paciente ficará 16 horas sem comer, incluindo o tempo em que estiver dormindo.”
Aproveitando-se da crença de que veganismo é nada mais do que uma dieta vegetariana “emagrecedora” e nem sempre vem associada com ética animal, empresas que não estão nem aí para a miséria dos animais lançam linhas de produtos alimentícios “vegan-friendly”, sem ingredientes de origem animal e não testados em animais, a preços maiores do que os dos similares não veganos. E aí o público que realmente é vegano – com seu sentido original de respeito aos animais – e os vegetarianos que se acham “veganos” vão em massa comprar esses produtos.
Pesquisadores da Universidade de Oxford seguiram 35.000 indivíduos com idades entre 20 a 89 por um período de cinco anos e a conclusão foi que veganos são 30% mais propensos a fraturar um osso do que vegetarianos e onívoros. Um estudo posterior feito na Austrália concluiu que vegetarianos tinham ossos 5% menos densos do que os não vegetarianos. Isto pode ser atribuído a um consumo menor de cálcio devido às limitações da dieta. O assunto é sério, osso não dói e a osteopenia/osteoporose pode se desenvolver de forma silenciosa.
Setenta e quatro indivíduos com diabetes tipo 2 foram aleatoriamente escolhidos e orientados a seguir uma dieta vegetariana ou uma dieta antidiabética convencional. A dieta vegetariana consistiu em vegetais, grãos, legumes, frutas e nozes, com produtos animais limitados ao máximo de uma porção de iogurte com baixo teor de gordura por dia. A dieta diabética convencional seguiu as recomendações oficiais da European Association for the Study of Diabetes (EASD). Ambas as dietas tiveram limite de 500 quilocalorias por dia em comparação com uma ingestão isocalórica para cada indivíduo.
O consumo regular de chá oolong também impede a produção de novas células adiposas e ajuda o corpo a queimar gordura mais rapidamente. No geral, há poucas dúvidas de que o chá oolong não apenas ajuda a perder peso em curto prazo, mas também protege contra a obesidade com um aumento consistente do metabolismo, redução de gordura e redução da inflamação.

As estatísticas das organizações internacionais de saúde mostram que hoje morre mais gente no mundo em decorrência da obesidade do que de aids ou mesmo desnutrição. Da mesma forma, essa disfunção metabólica alavanca os custos de tratamentos médicos para problemas cardíacos, diabetes, hipertensão e outros males que dela decorrem. Daí a preocupação de governantes e autoridades sanitárias da maioria dos países, entre eles o Brasil, com o assunto. Na comunidade científica, pesquisadores se dedicam com cada vez mais afinco a entender os mecanismos ligados ao problema, não mais visto como uma questão de vaidade ou estilo de vida, mas sim como uma ameaça real a pessoas de todas as idades e classes sociais. Em outubro do ano passado, a Academia Real de Ciências da Suécia, que outorga a maior honraria científica do planeta, o prêmio Nobel, contemplou com a medalha de Fisiologia ou Medicina o biólogo japonês Yoshinori Ohsumi, que por duas décadas se dedicou a um estudo que, apesar de não estar ligado diretamente à questão do excesso de peso, abre as portas para se compreender o poder da prática sobre o corpo humano. Ohsumi avaliou os impactos do jejum intermitente nas células e descobriu que a prática não só estende a vida dessas estruturas microscópicas como também as estimula a trabalhar melhor, o que afeta positivamente todo o metabolismo e contribui para a eliminação daquela banha extra acumulada na forma de pneus em volta da cintura.
Uma teoria sobre isso, de acordo com o diretor do Laboratório de Neurociências do Instituto Nacional do Envelhecimento, Mark Mattson, é que o estresse brando que o jejum intermitente coloca no corpo, proporciona uma ameaça constante – aumentando as poderosas defesas celulares do corpo contra potenciais danos moleculares. O jejum intermitente também estimula o corpo a manter e reparar tecidos e tem benefícios antienvelhecimento, mantendo todos os órgãos e células funcionando de forma eficaz.
O chá branco pode ser muito eficaz quando se trata de queima de gordura. Seus níveis de cafeína e catequinas como o galato de epigalocatequina (EGCG) estão relacionados à queima de gordura. Juntos, esses compostos são capazes de estimular a degradação da gordura e impedir a formação de novas células adiposas. Um estudo também sugere que o chá branco pode ajudar a aumentar o metabolismo em 4% a 5%. Isso pode significar uma queima extra de 70 a 100 calorias por dia.
Mais uma dieta do chá? Sim, mas ela começa com uma notícia surpreendentemente gostosa: o chá de hibisco não é amargo. Tem sabor suave de framboesa – dá até para sentir aquele azedinho da fruta -, além de proporcionar vários efeitos positivos no organismo: estimula a queima de gordura corporal, facilita a digestão, regulariza o intestino e combate a retenção de líquido. Ou seja, é um aliado e tanto na perda de peso.
Mas a perda de peso nos vegetarianos tem um limite, que depende de cada metabolismo. Isso faz parte de um processo natural do próprio organismo, como lembra o endocrinologista Amelio Godoy-Matos. Quando a pessoa começa a restringir muito a alimentação, o corpo lança contrarreguladores do peso, ou mecanismos de proteção. O mais conhecido é a diminuição da produção de leptina, um hormônio produzido pela gordura corporal e que inibe a fome e aumenta o gasto de energia. Este contra-ataque mantém a fome e a pessoa não consegue sustentar a sua perda de peso. Risco de anemia, unha fracas e queda de cabelo
Algumas destas modas e novidades podem também ser bastante perigosas. Podem até parecer que funcionam durante algum tempo, mas depois o peso volta a repor-se. A falsidade fundamental em todas estas dietas da moda, como a dieta de Atkins, ou a dieta Zone, é a ideia de que de alguma forma as calorias dos hidratos de carbono são diferentes das calorias das gorduras e das proteínas. Isto é cientificamente ridículo. Toda e qualquer caloria que se ingere contribui igualmente para o eventual ganho de peso, quer seja proveniente de hidratos de carbono, gorduras ou proteínas.
A dieta tradicional dos praticantes de yoga tem sido uma dieta vegetariana. A dieta yoga consiste em frutas, vegetais, grãos e produtos lácteos. Uma vez que o corpo tenha aclimatado para tal uma dieta que não só pode sobreviver, mas também prosperar além de perda de peso, tudo ao mesmo tempo. A dieta de yoga é um plano de perda de peso vegetariana grande.
Pesquisadores da Universidade de Oxford seguiram 35.000 indivíduos com idades entre 20 a 89 por um período de cinco anos e a conclusão foi que veganos são 30% mais propensos a fraturar um osso do que vegetarianos e onívoros. Um estudo posterior feito na Austrália concluiu que vegetarianos tinham ossos 5% menos densos do que os não vegetarianos. Isto pode ser atribuído a um consumo menor de cálcio devido às limitações da dieta. O assunto é sério, osso não dói e a osteopenia/osteoporose pode se desenvolver de forma silenciosa.
Não esqueçamos que esta abordagem da perda de peso não deve ser aplicada em todos os casos. É de salientar que nas primeiras 3-6 semanas, os níveis de apetite e de humor, bem como o estado psicológico de forma geral, ficam (bastante) alterados, podendo comprometer o cumprimento da dieta, mas, normalmente, no final desse período, elesregularizam. É, por isso, fundamental que a pessoa esteja totalmente preparada e mentalizada para esta estratégia e consciente do que ela implica.Ultrapassada a tal fase inicial, normalmente a sensação de fome deixa de ser entendida com o carácter de sacrifício e punição e passa a ser um objetivo a atingir e a superar. Poderá de facto ser um aliado muito importante na gestão do peso.
Há provas de que contribuem para o aumento do risco de doença cardíaca e cancro. "Carnes magras, pescado, laticínios magros e leguminosas têm uma digestão lenta e libertam gradualmente os amidos, o que lhes confere um índice glicémico mais baixo, tudo efeitos muito positivos, que se associam ao aumento da saciedade e à redução da produção de insulina", refere.

O que Polesso chama de substâncias comestíveis são os produtos industrializados que não apresentam muitos nutrientes. “Para queimar gordura naturalmente, você precisa restabelecer o bom funcionamento do metabolismo e do sistema hormonal”, explica, destacando que o primeiro passo para conseguir isso é removendo as toxinas que emperram esse sistema. “As toxinas estão nas substâncias comestíveis, nos açúcares, farináceos processados e carboidratos artificiais. “São estes elementos que fazem com que o metabolismo produza uma grande quantidade de insulina, incentivando o estoque de gordura”, conta.
Comer o que quiser durante cinco dias e depois jejuar em dois dias não consecutivos. A proposta é de "A Dieta dos 2 Dias", livro publicado em Portugal pela Lua de Papel ou «Fast Diet» [dieta rápida em tradução literal], o nome original em inglês, também conhecida como Dieta 5:2, como a definem alguns especialistas. Criada por Michael Mosley, um produtor da BBC com formação em medicina, é apresentada como "uma estratégia sustentável para uma vida saudável e longa".
Estudos têm demonstrado que os alimentos vegetarianos conter mais fibras e menos ácido solúvel em gordura do que os alimentos normais. A fibra pode reduzir a transformação de ácidos biliares primários em secundários - as substâncias que foram mostrados para causar câncer de cólon. ácidos graxos e esteróis podem aumentar o risco de câncer de cólon. Os alimentos vegetarianos também contêm substâncias que podem ajudar a prevenir câncer como antioxidantes e produtos químicos da planta.
O Chá Preto é uma bebida de Baixa Caloria – A contagem de calorias em sua xícara de chá preto é quase insignificante (aproximadamente 2 calorias por xícara). Também tem zero percentual de gordura saturada e colesterol. Como resultado, diminui a ingestão de calorias e será benéfico para queimar algumas gorduras adicionais, qualificando-se como o melhor chá para perda de peso natural.
Ultimamente ser vegetariano está se tornando muito comum entre as pessoas, algumas por motivos culturais, religiosos ou até mesmo por conta da saúde. Segundo uma pesquisa realizada em outubro de 2012 pelo IBOPE, cerca de 15,2 milhões de brasileiros se declaram vegetarianos. Isso corresponde a 8% da população do país. O estado do Ceará está no topo do ranking com a maior população vegetariana do Brasil, 350 mil pessoas.
Isso é importante porque o aumento da gordura subfascial em pacientes com diabetes tipo 2 tem sido associado à resistência à insulina, portanto, reduzir isso poderia ter um efeito benéfico sobre o metabolismo da glicose. Além disso, a redução da gordura intramuscular pode ajudar a melhorar a força muscular e a mobilidade, particularmente em pessoas mais velhas com diabetes.
Assim como Harvard, ela recomenda um cardápio com água, chás e pouco café, legumes, verduras, frutas, cereais integrais, leite e derivados magros, frutas oleaginosas, azeite extravirgem, ervas aromáticas, molho de tomate caseiro, vinho tinto moderado, suco de frutas (naturais), especiarias, peixes, frango orgânico, ovos caipiras ou orgânicos. E é a favor de até 300g de carne de boi magra por semana, divididas em duas a três refeições semanais.
É realmente alarmante o número de pessoas que praticam atividades físicas, se alimentam bem, mas mesmo assim ainda não conseguem atingir o corpo dos seus sonhos. No entanto, o que elas e provavelmente você também não saiba é que existe uma maneira de contribuir para que o processo de emagrecimento seja mais rápido e você consiga atingir, definitivamente, o corpo que sempre sonhou.
Isso é importante porque o aumento da gordura subfascial em pacientes com diabetes tipo 2 tem sido associado à resistência à insulina, portanto, reduzir isso poderia ter um efeito benéfico sobre o metabolismo da glicose. Além disso, a redução da gordura intramuscular pode ajudar a melhorar a força muscular e a mobilidade, particularmente em pessoas mais velhas com diabetes.
Os níveis de açúcar no sangue (tecnicamente glicemia) são controlados de forma “apertada” por vários mecanismos no organismo. Quando entramos em modo de jejum são ativados mecanismos hormonais que levam à produção da glicose necessária no fígado a partir das reservas de gordura acumuladas (um processo designado por gliconeogénese).14 Por exemplo, é este mecanismo que previne uma hipoglicemia durante o jejum noturno enquanto dormimos.

Para ganhar massa muscular, o ideal é fazer exercícios de força, como musculação e crossfit, pois essas atividades forçam o músculo a pegar mais peso, o que é o principal estímulo para fazê-lo crescer. É importante lembrar que o treino deve estimular mais a capacidade do músculo, com aumento progressivo da carga e acompanhamento de um profissional educador físico.


Invista nos alimentos termogênicos: estes alimentos têm a capacidade de fazer nosso metabolismo trabalhar de forma mais rápida. Assim, nosso organismo acaba queimando mais calorias e disponibilizando as gorduras para serem queimadas e transformadas em energia. Alguns exemplos de alimentos termogênicos são: chá verde, óleo de cártamo, óleo de coco, brócolis, pimenta vermelha, gengibre, entre outros;
Desde o início do século passado que os cientistas têm explorado a hipótese de que a redução calórica possa prolongar o tempo de vida das pessoas, bem como a sua qualidade de vida, resultando daí benefícios para a saúde em geral. Desde então, as conclusões associadas à redução de 30-40% da energia consumida mostravam que se podia prolongar a esperança média de vida em cerca de um terço, com uma clara redução também na incidência de doenças e seus factores de risco. Estudos mais recentes, dos últimos dez anos, têm vindo a confirmar e reforçar esta ideia, mostrando resultados na melhoria da sensibilidade à insulina, dos níveis de colesterol e da perda de peso, com regulação do controlo do apetite e da saciedade.
Além disso, após um período de jejum, nosso corpo fica mais sensível à insulina, o que significa que a refeição após um treino ou após o jejum será armazenada de forma mais eficiente. Após um jejum seguido de treino, por exemplo, o alimento ingerido será usado como: fonte de energia para gerar glicogênio, que será armazenado nos músculos gerando massa magra; ou queimado como energia para ajudar no processo de recuperação, com quantidades mínimas armazenadas como gordura corporal.
O chá pode ser consumido quente ou frio, nos intervalos das refeições. Evite ingerir a bebida durante as refeições, pois os taninos presentes nela irão atrapalhar a absorção de algumas substâncias, especialmente o ferro e aminoácidos. Não beba o chá preto durante noite porque a cafeína presente na bebida pode dificultar o sono. Quem tem insônia deve tomar a última xícara até às 17:00. Saiba mais sobre chá preto aqui.
×