Engana-se quem pensa que os chás, por serem naturais, não oferecem riscos à saúde se consumidos de forma errada. “O consumo exagerado dos chás sem orientação pode causar hipertensão ou hipotensão arterial, arritmia cardíaca, insônia ou gastrites. Alguns chás não devem ser consumidos por gestantes ou lactantes. Por isso, é interessante a prescrição de médico ou nutricionista antes de consumi-los”, lembra a nutricionista Sabrina.

Para evitar deficiências nutricionais é essencial cuidar muito bem do que se põe no prato. De acordo com a American Dietetic Association, não é necessário que a complementação do perfil de aminoácidos seja absolutamente precisa, e nem é preciso que ocorra exatamente na mesma refeição, ou seja, a proteína consumida no almoço pode ser complementada com a proteína ingerida no jantar ou em qualquer outra refeição do dia, para melhorar a qualidade do conjunto de aminoácidos essenciais utilizados pelo corpo.


A prática do jejum é algo comum na história dos seres humanos. Além do jejum fazer parte das principais religiões, (incluindo o cristianismo, islamismo e o budismo), nossos ancestrais não tinham comida disponível o ano todo em supermercados e geladeiras para fazer 3 ou 4 refeições por dia. Até o por isso o JI é uma prática comum entre os adeptos da dieta paleo.
Todas as dietas para emagrecer têm em comum uma regra: deve-se ingerir bastante líquido. Isto porque beber água, chás e sucos favorecem a eliminação de toxinas, além de contribuírem para reduzir a retenção de líquidos. No caso dos chás, eles são importantíssimos nas dietas, pois colaboram na perda de peso, já que alguns possuem substâncias consideradas termogênicas.
Um estudo conduzido pela Society for Neuroscience, em 2015, revelou que o jejum intermitente oferece “enormes implicações para a saúde do cérebro”. Segundo o estudo, que foi realizado tanto em seres humanos quanto em animais, a prática estimula o cérebro de várias maneiras diferentes: promove o crescimento de neurônios, ajuda na recuperação após um acidente vascular cerebral, ou qualquer outra lesão cerebral, e melhora o desempenho da memória. Não só o jejum intermitente ajuda a diminuir o risco de um praticante de desenvolver doenças neurodegenerativas como Parkinson ou Alzheimer, mas também há evidências que demonstram que pode até mesmo melhorar tanto a função cognitiva como a qualidade de vida das pessoas que vivem nessas condições.

Boa parte das pesquisas realizadas com canela foram com uma quantidade que variou entre 1 e 6 gramas, o equivalente a meia ou até uma colher de chá, ao dia. Como estes valores mudam muito, é interessante consultar um médico ou nutricionista sobre a melhor porção do alimento para cada pessoa. Os chás de canela costumam ser preparados com a canela em pau. Saiba mais sobre chá de canela aqui
Obviamente, perder peso não é um passeio. Os médicos costumam dar à perda forçada de gordura corporal o nome de distúrbio eletrolítico. Quem já fez regime sabe que em um primeiro momento, além da fome abissal e do humor azedo, fazem parte do processo espasmos musculares, distúrbios intestinais, tontura, cãibras e outros efeitos desagradáveis. Com o tempo, entretanto, o organismo se acostuma às novas condições e passa a funcionar melhor — ou seja, paciência e disciplina são fundamentais. Em tratamento há quase um ano, a estudante de odontologia Isabela Miranda, 25, aderiu ao jejum nos últimos três meses. “Eu me dei conta de que muitas vezes comia apenas por hábito, não por necessidade”, diz ela, que passou de 76 para 47 quilos.

Jejuar para alcançar benefícios físicos e mentais não é exatamente uma novidade. Grupos religiosos, sejam eles hindus, cristãos, muçulmanos ou judeus, deixam de comer por períodos predeterminados como ato de contrição e também como exercício de autocontrole. A prática só é vetada para gestantes, pessoas com tendência à bulimia e anorexia ou com doenças que levem à hipoglicemia. Para os demais, em princípio, não há restrição. Em geral a dieta começa com uma redução nas porções de alimento até que o paciente se sinta confortável em eliminar uma das refeições. “A curto prazo, o jejum funciona e não acarreta efeitos indesejáveis, como perda de massa muscular. O que ­não sabemos é como ele afeta a longo prazo”, diz a nutróloga Lenita Zajdenverg, professora da UFRJ e coordenadora científica da Sociedade Brasileira de Diabetes Rio de Janeiro (SBD-RJ). Mesmo com todo o frisson científico que existe em torno do assunto, essa é uma dúvida que ainda vai demorar para ser esclarecida.
Pesquisadores da Universidade de Oxford seguiram 35.000 indivíduos com idades entre 20 a 89 por um período de cinco anos e a conclusão foi que veganos são 30% mais propensos a fraturar um osso do que vegetarianos e onívoros. Um estudo posterior feito na Austrália concluiu que vegetarianos tinham ossos 5% menos densos do que os não vegetarianos. Isto pode ser atribuído a um consumo menor de cálcio devido às limitações da dieta. O assunto é sério, osso não dói e a osteopenia/osteoporose pode se desenvolver de forma silenciosa.
Nos dias de hoje e idade há um fluxo contínuo de novas dietas entrar no mercado, todos com o objetivo de tornar-nos parte com o nosso dinheiro para nos fazer tudo fino e evitar ser párias sociais. Algumas das dietas, tais como a dieta de indução (o estágio inicial da famosa dieta de Atkins) continue a ser popular. Em vez de saltar sobre a última moda dieta seria muito mais prudente para tentar resolver em um modo de vida que você pode facilmente e alegremente seguir para o resto de sua vida. Você vai se sentir mais orgulhoso de suas realizações também como você fez uma mudança em seus próprios termos.

"Tem havido estudos que sugerem que a ingestão regular de pequenas refeições é vantajosa para a saúde, desde que não acabemos por comer mais", diz. "Infelizmente, é isso que acontece no mundo real", faz notar, todavia. O autor afirma que "petiscar serve apenas para abrir o apetite" e refere um estudo segundo o qual, atualmente, se ingere diariamente mais 180 calorias em lanches e 120 em refeições normais do que há 30 anos.

Engana-se quem pensa que os chás, por serem naturais, não oferecem riscos à saúde se consumidos de forma errada. “O consumo exagerado dos chás sem orientação pode causar hipertensão ou hipotensão arterial, arritmia cardíaca, insônia ou gastrites. Alguns chás não devem ser consumidos por gestantes ou lactantes. Por isso, é interessante a prescrição de médico ou nutricionista antes de consumi-los”, lembra a nutricionista Sabrina.
×