2. Inclua carboidrato e gordura no prato - esqueça as dietas da moda que eliminam um grupo alimentar da sua vida. Seu organismo precisa de carboidratos, lipídeos (gordura) e proteínas para funcionar direito. O segredo é escolher direito quais alimentos com esses nutrientes você vai consumir. Prefira as farinhas integrais, os lipídeos ricos em ômegas, como castanhas e abacate, e proteínas magras. “Quando fazemos dietas hiperprotéicas e sem carboidratos, utilizamos o músculo como fonte de energia”, explica a endocrinologista da clínica Nuclehum Flávia Ribeiro Funes.
Ao terminar uma refeição, o organismo gasta algumas horas processando o alimento para obter energia. Como há muito combustível disponível, o corpo opta por usar o que você acabou de ingerir como energia ao invés de usar a gordura armazenada, que é muito mais trabalhosa para ser queimada. Além disso, se você acabou de ingerir muitos carboidratos, isso é mais pronunciado ainda, já que a queima de açúcar é a mais simples de todas para obtenção de energia.
Além de potenciar os sabores e aromas das preparações culinárias, o gengibre possuí ainda um leque de propriedades medicinais e farmacológicas, que o tornam um ingrediente de excelência. Estas propriedades resultam dos seus constituintes, de entre os quais se destacam os compostos polifenólicos e as catequinas, proporcionando ao gengibre uma atividade antioxidante, anti-inflamatória, anticancerígena, e promovendo uma melhor digestão através da estimulação do efeito dos diversos sucos do trato gastrointestinal.

3. Faça um exercício que lhe dê prazer - você vai lá, faz sua parte, sua na academia, mas odeia cada minuto que passou. Primeiro que não tem como essa tortura virar rotina na sua vida por muito tempo. Segundo que a atividade física nessa má vontade traz tanto estresse, que solta cortisol no seu organismo. E cortisol é inimigo número um da queima de gordura localizada. “Escolha uma atividade física que proporcione prazer além do simples fato de se movimentar. Cuidar dos aspectos emocional e espiritual é tão importante quanto cuidar da alimentação”, garante a nutricionista Jacqueline Moniz Anversa. Você já tentou de tudo e acha que realmente nasceu para o sofá? Continue buscando algo que traga satisfação. Nem que ela chegue só na hora que acabar o treino na forma de endorfina. Já tentou aulas na piscina?


Estou com a mesma estrutura sua o mesmo peso 91 quilos, treino pesado a uns 16 meses e continuo barrigudo de verdade só que grande pra cima músculos, então li agora sua experiência e fiz sem querer essa semana jejum intermitentes, minha última refeição foi as 20:00 horas e fiquei sem fome até as 14:00 depois que cheguei da academia, comi proteínas e salada apenas. Uma semana perdi 2 quilos, alias 5 dias, to me sentindo bem e tranquilo porém o final de semana chegou e geralmente tomo uma gelada e bastante ai volta tudo de novo, pretendo aguentar ficar sem beber algumas semanas se aguentar.
A proteína alimenta os músculos e ajuda a construir mais massa muscular magra. Pois é processada mais lentamente do que os hidratos de carbono, ajuda você a se sentir saciado por mais tempo, então você comer menos. Ele também dá energia sustentável ao longo do dia, é por isso que os atletas escolher para comer proteína durante a maratona de corridas para manter seus níveis de energia elevados.
Estudos que comparam o jejum intermitente e a restrição calórica contínua não mostram diferença na perda de peso se as calorias ingeridas forem equivalentes. Porém, o jejum intermitente pode ser uma maneira conveniente de restringir calorias inconscientemente, pois diminuindo a janela de alimentação, a pessoa não percebe que está ingerindo menos calorias, e isso pode ajudar a perder peso e gordura.
O motivo, de acordo com os médicos responsáveis pela pesquisa, mostra que a ingestão abundante de grãos integrais, frutas e vegetais podem desempenhar papeis favoráveis em dietas vegetarianas. Além disso, produtos integrais e legumes, geralmente têm um baixo índice glicêmico, não acumulando níveis de açúcar no sangue. O fato ajuda a retardar a velocidade à qual o alimento sai do estômago e assegura uma boa digestão.

O estudo continuou por 12 semanas, durante as quais os voluntários podiam comer o que desejassem mas só das 10 às 18 horas, e precisavam permanecer em jejum total pelas 16 horas restantes, podendo beber apenas água ou bebidas sem calorias. Os resultados foram então comparados com um grupo controle, correspondendo a um estudo precedente sobre perda de peso, realizado com uma dieta diversa.
Tomando França como exemplo, apesar de ser bem conhecido por cozinha gourmet e especiais (e potencialmente engorda) queijos pessoas geralmente são bastante escassas. Isso pode ser creditado à cultura de visitar grandes mercados ao ar livre para a fonte saudável, nutritivo e produtos frescos locais. O francês vai levar tempo para cozinhar uma refeição equilibrada e de se congregarem para comer, muito mais do que suas contrapartes americanas.
Normalmente mulheres aguentam períodos de jejum menores do que os homens. Isso ocorre porque eles possuem mais massa muscular, portanto tem reservas maiores de glicogênio, outra fonte de energia do corpo que é armazenada justamente nos músculos e muito usada durante o jejum. O ideal é que elas sigam jejuns de até 12 horas, enquanto os homens podem chegar a até 14 horas.
Os pesquisadores descobriram que os obesos que seguiram a dieta 16:8 consumiram menos calorias, perderam peso e tiveram melhoras na pressão arterial. Na verdade, em média, os participantes consumiram cerca de 350 calorias a menos, perderam cerca de 3% do seu peso corporal e viram a sua pressão arterial sistólica diminuir em cerca de 7 mm de mercúrio (mm Hg), a medida padrão de pressão sangue. Todas as outras medidas, incluindo massa gorda, resistência à insulina e colesterol, foram semelhantes ao grupo controle.
Tome café antes de malhar. Estudos mostram que a cafeína estimula o sistema nervoso (sem novidades até aqui) e aumenta os níveis de epinefrina, que se manifesta como uma descarga de adrenalina e envia sinais para seu corpo começar a quebrar tecido gorduroso. Então esses ácidos graxos estarão livres para serem usados no sangue.[11] Se quiser ver se funciona para você, tome uma xícara de café antes de se exercitar.
Gorduras puras como manteiga e óleo de coco podem ser adicionadas ao café, pela manhã, para ajudar na sensação de saciedade durante o jejum. "Mas não pode exagerar caso o objetivo seja perder peso”, alerta o especialista. "O paciente não deve tomar óleo de coco e manteiga em excesso porque o corpo irá queimar essa gordura antes de queimar a do próprio corpo. Tudo tem que ser ponderado. O ideal mesmo é beber o líquido puro."
Não é a primeira dieta que se propõe um regime alimentar à "intermitência". Nos últimos anos, para citar um exemplo, está sendo muito seguido no mundo inteiro o método Dmd (do italiano dieta mima-digiuno), ou seja uma dieta que imita o jejum, criada e experimentada por Valter Longo, um cientista italiano da Universidade do Sul da Califórnia (USC). Sua dieta prevê o jejum de 5 dias por mês, com propósitos também anticâncer.
Se tomar atenção á industria das dietas, provavelmente irá ouvir dizer que é muito fácil perder peso. Basta seguir uma determinada dieta, tomar um ou outro comprimido, usar um ou outro adesivo... e o peso simplesmente desaparecerá. Estamos constantemente a ser bombardeados por todo o tipo de ofertas milagrosas. Obviamente, não é assim tão fácil como eles nos querem fazer crer, senão todos nós estaríamos em óptima forma.
O jejum ativa o processo de autofagia, em que o organismo decompõe e recicla células velhas e cansadas. Conduz desta forma a uma "reprogramação metabólica profunda" quando se prolonga vários dias e faz o corpo reduzir a produção da hormona igF-1, cujos "níveis elevados, numa fase mais avançada da vida, parecem acelerar o envelhecimento e provocar cancro", realça ainda o especialista.
Chá Verde influencia os Hormônios a Queimar Gordura – O EGCG ativo no Chá Verde também, aumenta os efeitos de alguns hormônios da queima de gordura. Inibindo uma enzima que quebra o hormônio noradrenalina (8). Quando esta enzima é inibida, a quantidade de norepinefrina aumenta (9). Este hormônio é usado pelo sistema nervoso como um sinal para as células de gordura, dizendo-lhes para quebrar a gordura.
É verdade, porém, que adultos e crianças que seguem uma dieta vegetariana são geralmente mais magros do que os "não vegetarianos". Isto pode ser porque uma dieta vegetariana tipicamente inclui menos gordura saturada e enfatiza mais frutas, legumes, grãos integrais e proteínas à base de plantas, alimentos que são mais protéicos e com menos calorias densas. Mas uma dieta vegetariana não é automaticamente baixa caloria.
A dieta proposta no estudo consiste em comer apenas em uma faixa horária do dia, em particular por 8 horas, daí o nome de dieta do jejum intermitente 16:8 que, testada em indivíduos obesos, em particular 23 com a média de idade de 45 anos e um índice de massa corporal médio de 35 (tendo em conta que 30 é o limiar, para além do qual, a OMS fala em obesidade).
Jejuar para alcançar benefícios físicos e mentais não é exatamente uma novidade. Grupos religiosos, sejam eles hindus, cristãos, muçulmanos ou judeus, deixam de comer por períodos predeterminados como ato de contrição e também como exercício de autocontrole. A prática só é vetada para gestantes, pessoas com tendência à bulimia e anorexia ou com doenças que levem à hipoglicemia. Para os demais, em princípio, não há restrição. Em geral a dieta começa com uma redução nas porções de alimento até que o paciente se sinta confortável em eliminar uma das refeições. “A curto prazo, o jejum funciona e não acarreta efeitos indesejáveis, como perda de massa muscular. O que ­não sabemos é como ele afeta a longo prazo”, diz a nutróloga Lenita Zajdenverg, professora da UFRJ e coordenadora científica da Sociedade Brasileira de Diabetes Rio de Janeiro (SBD-RJ). Mesmo com todo o frisson científico que existe em torno do assunto, essa é uma dúvida que ainda vai demorar para ser esclarecida.

Se isso soa dura ou mesmo irreal, considere a história do escocês. Lá em 1965, um escocês obeso de 27 anos e 205kg foi ao Departamento de Medicina em Dundee, Escócia, com um problema. Ele precisava perder peso. 1/8 de tonelada, para ser exato. Os doutores sugeriram que deixar de comer por alguns dias talvez pudesse ajudar. Era apenas uma recomendação improvisada, mas nosso escocês (conhecido apenas como "AB") realmente a adotou. Ele permaneceu no hospital por vários dias, tomando apenas água e pílulas de vitaminas enquanto se submetia a observações para garantir que nada de errado acontecesse. Quando seu tempo de internação acabou, ele continuou o jejum em casa, retornandoao hospital apenas para monitoramento regular. Após 1 semana, ele tinha perdido 2.2kg e se sentia bem. Seus sinais vitais foram chegados, a pressão estava normal, e apesar de ele ter glicemia mais baixa que a maioria dos homens, ele não se sentiu particularmente incapacitado por ela. O experimento continuou... por 382 dias.
De acordo com Sabrina, a carqueja é outra planta que pode auxiliar no processo de emagrecimento. “O chá é feito em infusão com as hastes da planta, possui um gosto amargo. Ela é indicada para auxiliar no emagrecimento por ter efeitos diuréticos e laxantes. Também é usada para combater problemas hepáticos, digestivos e no controle da diabetes”, diz.
×