Além disso, conforme estudos anteriores, dietas vegetarianas e veganas com baixo teor de gordura promovem um maior controle glicêmico e reduzem fatores de risco cardiovascular. “O vegetarianismo já provou ser mais efetivo para a perda de peso. Agora, mostramos que a dieta vegetariana pode ser muito mais efeito na redução de gordura muscular, promovendo melhora no metabolismo“, disse Hana Kahleová, diretora de pesquisa da organização sem fins lucrativos Physicians Committee for Responsible Medicine, nos Estados Unidos, ao site especializado Medical News Today.

Ciclo de carboidratos. A ciência por trás dessa linha, que é conhecida entre os adeptos como “ciclar carboidratos” é ter alguns dias na dieta com poucos carboidratos (cerca de 2 gramas por quilo de peso corporal) para fazer seu corpo entrar em estado de queima de gordura catabólico. Os dias de maior ingestão de carboidratos fazem o metabolismo acelerar, pois sem eles o processamento começa a parar.[3]

O primeiro grupo consome o leite e seus derivados, porém não come ovos nem carne. O segundo exclui totalmente a carne do cardápio, mas come leite, seus derivados e também ovos. Já o terceiro grupo é mais radical e não consome qualquer produto que tenha origem animal. E esse é o grupo que mais tem restrições e no qual se baseiam a grande maioria das dietas vegetarianas.


O chá de Pu-erh previne a formação de células adiposas enquanto promove a oxidação de ácidos graxos no corpo. Estudos mostram que ele suprime a conversão de ácidos graxos em gordura e reduz a produção de colesterol. Isto acontece porque ele é rico em teanina, cafeína e catequinas, que são três substâncias conhecidas pela sua capacidade de queimar gordura e aumentar o metabolismo.
Faça treinamento aeróbico cruzado. Há duas coisas que você precisa evitar: platô e tédio. Os dois são péssimos de formas diferentes. Qual a melhor forma de combatê-los? Cross training – ou treinamento cruzado. Isso basicamente significa que você vai praticar várias atividades diferentes, enganando sua mente e corpo. Sua cabeça não pensa: "Ai, de novo?!" e seus músculos não ficam acostumados e param de trabalhar.

Para perder o excesso de gordura corporal, é necessário fazer mudanças na alimentação, nos exercícios e no estilo de vida. Além disso, é preciso garantir que os exercícios e a dieta nova sejam capazes de manter a massa magra enquanto se perde peso. Pode ser difícil perder peso ou gordura corporal rapidamente. Não há milagres ou dietas mágicas que ajudem nessa tarefa. O melhor método de emagrecimento é lento e gradual e toma um período de tempo extenso. Ao adotar uma alimentação e uma rotina de exercícios corretas, é possível perder peso, diminuindo a gordura corporal e aumentando a massa magra.
Uma mulher em forma tem entre 21 e 24% de gordura corporal, mas até 31% é um nível aceitável. Para homens, o ideal é entre 14 e 17% e o aceitável é até 25%. Todos têm um nível essencial mínimo de gordura no corpo (para os homens ele é menor) que nunca conseguem perder sem causar danos à saúde.[12] Então saiba o que é melhor para você, e o que é realista!

Uma outra limitação nos estudos que sugerem um impacto metabólico positivo do jejum é não serem claros quanto ao tempo ideal sem comer. É incerto se 16 horas de jejum é mais favorável do que 12 horas, por exemplo. Pessoalmente, e pelos motivos mencionados acima, sou favorável a jejuns nocturnos entre 10-12 horas, até ao pequeno-almoço do dia seguinte. Os ciclos de depleção/repleção do glicogénio hepático são reguladores periféricos do nosso relógio biológico. O fígado comunica o seu status energético com o cérebro através do nervo vago, e condiciona o seu próprio metabolismo. A sensibilidade à insulina e capacidade de captação da glicose aumenta substancialmente após um jejum de duração suficiente para depletar as suas reservas. E convém salientar que o glicogénio muscular não é afectado pelo prolongamento do jejum uma vez que apenas é mobilizado em situações de esforço físico. Em repouso o músculo utiliza preferencialmente ácidos gordos e glicose captada de circulação após refeições. Na verdade, a actividade física muda tudo, pois independentemente da hora em que ocorre, o pós-treino será sempre um momento importante para ingestão de hidratos de carbono e aporte significativo de energia.


Especialista em nutrição otimizada, Rodrigo Polesso não considera o jejum uma dieta, já que a prática não envolve alimentos. Segundo ele, a primeira mudança visível após aderir é a perda de peso: “Só o fato de a pessoa não ingerir nada já é o suficiente para emagrecer”, diz ele. “O outro motivo que contribui para a queima de gordura e consequente perda de peso é que o jejum regulariza os níveis de insulina no sangue, hormônio que armazena gordura.” Polesso explica que praticar jejum intermitente baixa a insulina e abre o acesso para outros hormônios, como glucagon, cortisol e adrenalina, queimarem  a gordura.
O estudo continuou por 12 semanas, durante as quais os voluntários podiam comer o que desejassem mas só das 10 às 18 horas, e precisavam permanecer em jejum total pelas 16 horas restantes, podendo beber apenas água ou bebidas sem calorias. Os resultados foram então comparados com um grupo controle, correspondendo a um estudo precedente sobre perda de peso, realizado com uma dieta diversa.
Inúmeras pessoas que recorrem ao jejum intermitente relataram que esta técnica possui um efeito positivo nos sintomas de alergias e intolerâncias. Após um curto período de tempo, as alergias desaparecem porque o corpo tem mais tempo para desintoxicar. Muitos estudos apontam para tais resultados positivos. (Ligação 1, Ligação 2, Ligação 3, Ligação 4)
Normalmente mulheres aguentam períodos de jejum menores do que os homens. Isso ocorre porque eles possuem mais massa muscular, portanto tem reservas maiores de glicogênio, outra fonte de energia do corpo que é armazenada justamente nos músculos e muito usada durante o jejum. O ideal é que elas sigam jejuns de até 12 horas, enquanto os homens podem chegar a até 14 horas.
Concluo reforçando que são necessários mais estudos para podermos assumir uma posição clara, mas os dados que dispomos sugerem que o Jejum Intermitente pode ser uma estratégia viável para perder peso e melhoria metabólica global. Não necessariamente a melhor, mas mesmo assim possível se de alguma forma facilitar a adesão ao deficit calórico, o factor crítico em qualquer estudo da vida real. É importante também sublinhar que como padrão alimentar que é, não dispensa as boas escolhas a nível de alimentos, não é adequado para toda a gente, e os efeitos a longo prazo não são totalmente conhecidos. Nunca como hoje é importante ser céptico, mas receptivo à mudança que acompanha o progresso científico. E neste momento existe uma porta aberta para o IF, mas que não parece ir dar a um local diferente da restrição calórica convencional.
Com base nos resultados, a dieta vegetariana pode fazer perder duas vezes mais peso do que uma dieta somente de restrição calórica. Na dieta vegetariana, 60% das calorias vieram de carboidratos, 15% de proteínas e 25% de gordura. Já na convencional dieta antidiabética, 50% vieram de carboidratos, 20% de proteínas e 30% de gorduras, limitando as saturadas em 7%.
Em alguns casos, o especialista aconselha corrigir a alimentação antes de fazer o jejum intermitente. “Há pessoas que se alimentam de maneira incorreta há muito tempo e, quando começam a jejuar, se sentem para baixo, com fome e acabam condenando o método. Mas a culpa, nesses casos, é da alimentação. Antes do jejum ou ao mesmo tempo, é preciso adotar hábitos saudáveis.”
Um estudo conduzido pela Society for Neuroscience, em 2015, revelou que o jejum intermitente oferece “enormes implicações para a saúde do cérebro”. Segundo o estudo, que foi realizado tanto em seres humanos quanto em animais, a prática estimula o cérebro de várias maneiras diferentes: promove o crescimento de neurônios, ajuda na recuperação após um acidente vascular cerebral, ou qualquer outra lesão cerebral, e melhora o desempenho da memória. Não só o jejum intermitente ajuda a diminuir o risco de um praticante de desenvolver doenças neurodegenerativas como Parkinson ou Alzheimer, mas também há evidências que demonstram que pode até mesmo melhorar tanto a função cognitiva como a qualidade de vida das pessoas que vivem nessas condições.

Marina deseja perder 10 quilos em uma semana. Para isso ocorrer, primeiramente, ela deve descobrir seu gasto calórico diário. Após descoberto que seu GCD é 2000 calorias, ela diminuiu 500 calorias do mesmo, desta forma começou a perder peso. Todavia após um tempo ela não perdeu mais peso (ficou com seu peso estagnado) e não sabia o que fazer mais. O que vou lhe mostrar neste artigo é uma forma inteligente de lidar com as calorias e potencializar seus resultados. Mas antes disto é necessário quebrar alguns mitos deste processo, para estar tudo muito claro para você leitor.


Setenta e quatro indivíduos com diabetes tipo 2 foram aleatoriamente escolhidos e orientados a seguir uma dieta vegetariana ou uma dieta antidiabética convencional. A dieta vegetariana consistiu em vegetais, grãos, legumes, frutas e nozes, com produtos animais limitados ao máximo de uma porção de iogurte com baixo teor de gordura por dia. A dieta diabética convencional seguiu as recomendações oficiais da European Association for the Study of Diabetes (EASD). Ambas as dietas tiveram limite de 500 quilocalorias por dia em comparação com uma ingestão isocalórica para cada indivíduo.
Por isso, o chá preto também é o que possui maior ação termogênica. Este benefício ocorre da mesma forma que o que o chá verde. Ou seja, a bebida ajuda na perda de peso por conter cafeína e polifenóis. Isto porque a cafeína acelera o metabolismo e a queima gorduras. Enquanto as catequinas, tipos de polifenóis, reduzem o apetite e também diminuem as gorduras. O chá preto também irá inibir as enzimas que atrapalham a termogênese.
×