Seguir uma dieta vegetariana reduz até duas vezes mais o peso corporal em relação às dietas de baixa calorias tradicionais, de acordo com um novo estudo, publicado pela revista científica Journal of the American College of Nutrition, no início de junho. Embora envolva poucos participantes, a pesquisa mostrou ainda que a dieta vegetariana também acelera mais o metabolismo e reduz a gordura corporal, em comparação às demais dietas.

Estrelas da equipe brasileira de nado sincronizado nos Jogos Olímpicos do Rio, as irmãs gêmeas Bia, de 1,63 metro, e Branca Feres, de 1,65, mudaram de vida com o fim da competição. Adeptas de uma rotina espartana de treinos, elas se afastaram das piscinas e como consequência ganharam, em apenas três semanas, respectivamente, 6 e 8 quilos. Ao adotarem a dieta do jejum, secaram 6 quilos cada uma em três meses. “De manhã, passei a tomar só um café preto. E em dias mais corridos pulava o almoço. Ficava mais leve e mais disposta depois, mas sempre nos preocupamos com a escolha correta dos alimentos que consumíamos”, conta Bia, que voltou imediatamente aos treinamentos, mesmo que isso significasse se exercitar com a barriga roncando.
Desde o início do século passado que os cientistas têm explorado a hipótese de que a redução calórica possa prolongar o tempo de vida das pessoas, bem como a sua qualidade de vida, resultando daí benefícios para a saúde em geral. Desde então, as conclusões associadas à redução de 30-40% da energia consumida mostravam que se podia prolongar a esperança média de vida em cerca de um terço, com uma clara redução também na incidência de doenças e seus factores de risco. Estudos mais recentes, dos últimos dez anos, têm vindo a confirmar e reforçar esta ideia, mostrando resultados na melhoria da sensibilidade à insulina, dos níveis de colesterol e da perda de peso, com regulação do controlo do apetite e da saciedade.
Um estudo conduzido pela Society for Neuroscience, em 2015, revelou que o jejum intermitente oferece “enormes implicações para a saúde do cérebro”. Segundo o estudo, que foi realizado tanto em seres humanos quanto em animais, a prática estimula o cérebro de várias maneiras diferentes: promove o crescimento de neurônios, ajuda na recuperação após um acidente vascular cerebral, ou qualquer outra lesão cerebral, e melhora o desempenho da memória. Não só o jejum intermitente ajuda a diminuir o risco de um praticante de desenvolver doenças neurodegenerativas como Parkinson ou Alzheimer, mas também há evidências que demonstram que pode até mesmo melhorar tanto a função cognitiva como a qualidade de vida das pessoas que vivem nessas condições.
Basta substituir os pratos de carne com produtos de soja, lentilhas e cereais integrais. Você pode obter proteína suficiente (especialmente se você também consumir nozes e produtos lácteos), através tal dieta. Vale a pena dar uma chance, desde que você tenha um pouco de força de vontade e estão preparados para cumpri-la. Afinal, nada vem fácil na vida (bem, não pelo menos para mim!).
Boa tarde, comecei o jejum em 13.09.2017 (ontem) 16/8, mais só consegui ficar 14 h e 1/2 , acabei tomando um suco de acerola sem açúcar e comi um ovo cozido, as 13.40 h, comi saladas, legumes, alface e tomate, tem algum problema referente ao horário e posso intercalar frutas antes do jantar as 20 horas? Tenho 1.60 e 70 k, idade 66, não faço exercícios físicos.
Com o jejum intermitente, as células do corpo tornam-se mais resistentes ao stress e mais capazes de suportar doenças. A reação do corpo ao jejum é semelhante à sua reação ao desporto – através de “treino” frequente, torna-se mais resistente a doenças. A autofagia também é estimulada pela remoção de proteínas disfuncionais da célula. (Ligação 1, Ligação 2)
Tudo levado em consideração, jejum é uma maneira efetiva de perder gordura corporal. Não é o único modo, e não é "obrigatório" para a abordagem primal, mas muitos na comunidade descobriram que é muito útil e a literatura os suporta. Se você está procurando acelerar a sua perda de gordura, jejuar pode ser o bilhete premiado. Para ter idéias, veja o meu artigo sobre vários métodos de jejum.
O jejum intermitente combate a resistência à insulina, que, por sua vez, previne a diabetes tipo 2. Num estudo com ratos, a diabetes tipo 2 foi completamente evitada pelo jejum intermitente. Os ratos e os humanos são semelhantes no metabolismo da gordura e da glicose, o que faz com que esses resultados pareçam promissores. Estudos em humanos mostram que os níveis de açúcar no sangue diminuem até 6 porcento e os níveis de insulina até 31 porcento com o jejum intermitente. (Ligação1, Ligação2)

Para os diabéticos, o jejum pode ser uma maneira fantástica de normalizar e até mesmo melhorar a variabilidade da glicose. Qualquer pessoa que procure uma maneira natural de aumentar a sensibilidade à insulina deve tentar um jejum intermitente, já que os efeitos da prática podem fazer uma considerável diferença na forma como o corpo processa a glicose.
Ao tentar aplicá-los, Michael Mosley debateu-se com dificuldades como ter que fazer contas para marcar um jantar com amigos e decidiu criar uma versao mais "realista e suportável". "Apesar de a fome ser má, um pouco de restrição alimentar curta, intensa e de choque pode ter benefícios a longo prazo", diz o autor. O argumento tem origem num princípio biológico, a hormose, segundo o qual uma substância é tóxica em doses elevadas mas benéfica se elas forem pequenas.

Após anos me alimentando de três em três horas vi o ponteiro da balança estacionar e não sair mais do lugar. Decidi então partir para o jejum intermitente, e essa foi a melhor decisão que poderia ter tomado. Emagreci, não sinto que eu tenha ficado flácida e também não passei fome. Optei pelo método 16/8 e 18/6, mantive a musculação 3x por semana, me alimentei bem e não deixei a minha tacinha de vinho tinto de lado????. Recomendo o método para todos aqueles que querem se livrar da escravidão da marmita.
«É muito comum quem quer perder peso ver esse processo numa perspetiva de tudo ou nada, o que está errado. Neste caso não há um jejum completo, apenas uma ingestão restrita em dias alternados. Mas, como se limita a 500 a 600 calorias, deve ter-se cuidado com a exigência física e intelectual, pelo menos nas primeiras semanas», explica o nutricionista Miguel Rego.
3. Faça um exercício que lhe dê prazer - você vai lá, faz sua parte, sua na academia, mas odeia cada minuto que passou. Primeiro que não tem como essa tortura virar rotina na sua vida por muito tempo. Segundo que a atividade física nessa má vontade traz tanto estresse, que solta cortisol no seu organismo. E cortisol é inimigo número um da queima de gordura localizada. “Escolha uma atividade física que proporcione prazer além do simples fato de se movimentar. Cuidar dos aspectos emocional e espiritual é tão importante quanto cuidar da alimentação”, garante a nutricionista Jacqueline Moniz Anversa. Você já tentou de tudo e acha que realmente nasceu para o sofá? Continue buscando algo que traga satisfação. Nem que ela chegue só na hora que acabar o treino na forma de endorfina. Já tentou aulas na piscina?
O ultimato foi dado em janeiro do ano passado. Aos 36 anos, o empresário Frederico Nantes era sedentário, hipertenso e estava à beira de cravar uma marca bem desagradável: 150 quilos redondos na balança. O colesterol e a glicose sob controle eram mantidos à custa de dez comprimidos diferentes ingeridos diariamente. Com uma rotina desregrada e estressante, o dono de uma produtora de eventos e árbitro da Federação Internacional de Atletismo não conseguia de jeito algum seguir uma alimentação balanceada. Tarimbado em dietas, já havia se embrenhado por quatro delas, sem sucesso. Até se apegar a um conceito absolutamente simples, mas aparentemente radical: para emagrecer, basta parar de comer. Na abordagem adotada com a ajuda de um médico, Nantes tirou proveito de um (mau) hábito: pular refeições. A diferença é que, quando comia, em vez de atacar produtos de fast-food ou uma pratada de macarrão, saciava o apetite com salada, acompanhada de carne, frango ou peixe. O resultado valeu a penitência. Depois de treze meses, enxugou 58 quilos e seu índice de gordura corporal passou de 52% para 12%. “Pulava o café da manhã e o almoço, de quatro a cinco vezes por semana. Ainda assim, conseguia fazer exercícios com regularidade”, conta. “Antes, tinha resultados muito modestos, que não me estimulavam a continuar”, diz o ex-gordo, feliz com seus 90 quilos distribuídos por 1,90 metro.

Estudos em muitos países mostraram que a taxa de morte por doenças cardiovasculares em vegetarianos é muito menor do que nos não-vegetarianos. Pensa-se que a comida vegetariana contém mais fibras, menos gordura, menos colesterol, alta proporção de gorduras poliinsaturadas e gorduras saturadas. A doença arterial coronária é um tipo de doença que está associada com o colesterol no sangue.
Pessoas que seguem uma dieta vegetariana terá menor risco de gota porque não comer proteína animal. Na verdade, dieta vegetariana é especialmente útil para pacientes com alguns artrite reumatóide, ajudá-las sensivelmente reduzir os sintomas de artrite. No entanto, as pessoas devem comer quantidade suficiente de nutrientes para evitar perda de massa muscular e desnutrição. Para as pessoas com osteoartrite, vegetariana não pode ajudar a curar sua condição, mas pode ajudar na prevenção. Na verdade, seguindo uma dieta vegetariana pode ajudar as pessoas a evitar osteoartrite devido ao alto consumo de estrogênio vegetal.
O objetivo inicial do estudo era avaliar como o jejum intermitente pode alterar a capacidade de metabolização de gordura e açúcares do organismo. Mas os resultados mostraram que em 59 dias, o grupo que seguiu o jejum intermitente perdeu pelo menos 5% do peso e diminuiu em 9% os índices da pressão arterial. Já os voluntários que cumpriram a dieta com menos calorias diárias precisaram de 73 dias para perder a mesma quantidade de peso e diminuíram a pressão arterial em apenas 2% no final de todo o processo.
Você não tem que apenas eatwheatgrass, frutas e saladas quando você seguir uma dieta vegetariana. Há um monte de opções para você, então não se preocupe com este problema. Com a grande quantidade de sabores de plantas e receitas saudáveis ​​que você pode aprender a cozinhar estes ingredients.There muitas ofdishes você pode fazer com um pouco de criação. Você pode tentar uma receita nova marca a cada semana ou a cada dia se você tiver tempo, e você vai encontrar como é divertido se você começar a aprender uma nova refeição, além de um vegetariana e carne de combinação.
Evite dietas radicais. Tudo que é extremo não é tão saudável. Seja preparar sucos, jejum ou apenas cortar um grupo de alimentos, se não for sustentável, provavelmente não é tão bom. Você pode ver ótimos resultados inicialmente, mas no longo prazo isso mexe com seu metabolismo e no final acaba tendo impacto negativo em você. Então, repetindo, evite dietas radicais. Seja saudável e evite extremismos.
Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.

Muitos estudos mostram que os veganos têm um risco maior de deficiência de vitamina B12, vitamina D3, ômega-3, iodo, ferro, cálcio e zinco. Isso pode representar um risco particular para aqueles com necessidades especiais, como crianças, mulheres grávidas e lactantes. Além de procurar orientação profissional para compor uma dieta balanceada, muitas vezes é necessário o uso de suplementos.


Invista nos alimentos termogênicos: estes alimentos têm a capacidade de fazer nosso metabolismo trabalhar de forma mais rápida. Assim, nosso organismo acaba queimando mais calorias e disponibilizando as gorduras para serem queimadas e transformadas em energia. Alguns exemplos de alimentos termogênicos são: chá verde, óleo de cártamo, óleo de coco, brócolis, pimenta vermelha, gengibre, entre outros;

A dieta tradicional dos praticantes de yoga tem sido uma dieta vegetariana. A dieta yoga consiste em frutas, vegetais, grãos e produtos lácteos. Uma vez que o corpo tenha aclimatado para tal uma dieta que não só pode sobreviver, mas também prosperar além de perda de peso, tudo ao mesmo tempo. A dieta de yoga é um plano de perda de peso vegetariana grande.
O exercício, em um jejum, pode ser complicado, mas há alguns benefícios poderosos a serem obtidos combinando os dois – especialmente quando você pode obter um treino pesado no final de seu período de “não comer”. Alguns estudos relataram que, após três semanas de jejum normal pela noite, ciclistas de resistência observaram uma recuperação mais rápida pós-treino – sem diminuição no desempenho. Mesmo que este único estudo não seja inteiramente conclusivo, o poder de cura do jejum e as melhorias ao seu sono e hábitos alimentares, definitivamente, ajudam o corpo a se recuperar de um treino, por mais intenso que seja.

Processado lixo foodsare vegetariana não livre-a-comer alimentos, por isso não comer os biscoitos também muchvegetarian, batatas fritas, e biscoitos com o pensamento de que eles são totalmente saudável. alimentos de origem vegetal, incluindo legumes e feijão, folhas verdes, sementes, nozes, bagas, e sem glúten cereais integrais como quinoa, juntamente com gorduras saudáveis ​​de alta de chocolate de cacau, óleos, como coco, linho e azeite são as melhores opções para você . Estes alimentos vão ajudar a mudar a maneira de pensar, sentir, reduzindo inflammationdrastically.
Obviamente, perder peso não é um passeio. Os médicos costumam dar à perda forçada de gordura corporal o nome de distúrbio eletrolítico. Quem já fez regime sabe que em um primeiro momento, além da fome abissal e do humor azedo, fazem parte do processo espasmos musculares, distúrbios intestinais, tontura, cãibras e outros efeitos desagradáveis. Com o tempo, entretanto, o organismo se acostuma às novas condições e passa a funcionar melhor — ou seja, paciência e disciplina são fundamentais. Em tratamento há quase um ano, a estudante de odontologia Isabela Miranda, 25, aderiu ao jejum nos últimos três meses. “Eu me dei conta de que muitas vezes comia apenas por hábito, não por necessidade”, diz ela, que passou de 76 para 47 quilos.
Outro benefício proporcionado pelo jejum é a autofagia - a reciclagem das células mortas -, tema que garantiu o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia ao cientista Yoshinori Ohsumi em 2016. O pesquisador japonês estudou o processo de reciclagem das células quando a pessoa está em jejum. “Pode-se dizer que é uma espécie de ‘limpeza’ para se certificar de que o corpo está funcionando bem”, afirma Polesso.

Para ganhar massa muscular, o ideal é fazer exercícios de força, como musculação e crossfit, pois essas atividades forçam o músculo a pegar mais peso, o que é o principal estímulo para fazê-lo crescer. É importante lembrar que o treino deve estimular mais a capacidade do músculo, com aumento progressivo da carga e acompanhamento de um profissional educador físico.
O jejum ativa o processo de autofagia, em que o organismo decompõe e recicla células velhas e cansadas. Conduz desta forma a uma "reprogramação metabólica profunda" quando se prolonga vários dias e faz o corpo reduzir a produção da hormona igF-1, cujos "níveis elevados, numa fase mais avançada da vida, parecem acelerar o envelhecimento e provocar cancro", realça ainda o especialista.
Há provas de que contribuem para o aumento do risco de doença cardíaca e cancro. "Carnes magras, pescado, laticínios magros e leguminosas têm uma digestão lenta e libertam gradualmente os amidos, o que lhes confere um índice glicémico mais baixo, tudo efeitos muito positivos, que se associam ao aumento da saciedade e à redução da produção de insulina", refere.
As estatísticas das organizações internacionais de saúde mostram que hoje morre mais gente no mundo em decorrência da obesidade do que de aids ou mesmo desnutrição. Da mesma forma, essa disfunção metabólica alavanca os custos de tratamentos médicos para problemas cardíacos, diabetes, hipertensão e outros males que dela decorrem. Daí a preocupação de governantes e autoridades sanitárias da maioria dos países, entre eles o Brasil, com o assunto. Na comunidade científica, pesquisadores se dedicam com cada vez mais afinco a entender os mecanismos ligados ao problema, não mais visto como uma questão de vaidade ou estilo de vida, mas sim como uma ameaça real a pessoas de todas as idades e classes sociais. Em outubro do ano passado, a Academia Real de Ciências da Suécia, que outorga a maior honraria científica do planeta, o prêmio Nobel, contemplou com a medalha de Fisiologia ou Medicina o biólogo japonês Yoshinori Ohsumi, que por duas décadas se dedicou a um estudo que, apesar de não estar ligado diretamente à questão do excesso de peso, abre as portas para se compreender o poder da prática sobre o corpo humano. Ohsumi avaliou os impactos do jejum intermitente nas células e descobriu que a prática não só estende a vida dessas estruturas microscópicas como também as estimula a trabalhar melhor, o que afeta positivamente todo o metabolismo e contribui para a eliminação daquela banha extra acumulada na forma de pneus em volta da cintura.

Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.
Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.
Comecei na segunda feira dia 10/07 a fazer o jejum intermitente (16h de jejum e 8h de alimentação) e no mesmo voltei a praticar musculação e passei a inserir mais proteína, vegetais e frutas na minha alimentação assim como certos carboidratos antes do treino (batata doce, tapioca e até arrisquei macarrão na quarta feira). Bom o resultado inicial é que em 4 dias eu eliminei 1Kg (de 81Kg estou com 80Kg).
Os pesquisadores descobriram que os obesos que seguiram a dieta 16:8 consumiram menos calorias, perderam peso e tiveram melhoras na pressão arterial. Na verdade, em média, os participantes consumiram cerca de 350 calorias a menos, perderam cerca de 3% do seu peso corporal e viram a sua pressão arterial sistólica diminuir em cerca de 7 mm de mercúrio (mm Hg), a medida padrão de pressão sangue. Todas as outras medidas, incluindo massa gorda, resistência à insulina e colesterol, foram semelhantes ao grupo controle.

O consumo regular de chá oolong também impede a produção de novas células adiposas e ajuda o corpo a queimar gordura mais rapidamente. No geral, há poucas dúvidas de que o chá oolong não apenas ajuda a perder peso em curto prazo, mas também protege contra a obesidade com um aumento consistente do metabolismo, redução de gordura e redução da inflamação.
×