O que dá esse poder ao hibisco? Sobretudo a alta concentração de antocianina – pigmento da família dos flavonoides -, que tem ação antioxidante (tira boa parte dos radicais livres de cena) e anti-inflamatória (combate a inflamação das células, permitindo que elas voltem a exercer totalmente suas funções). Resultado: “O organismo deixa de acumular toxinas – substâncias inimigas que dificultam o emagrecimento”, explica Lucyanna Kalluf, nutricionista funcional especializada em fitoterapia do Instituto Alpha de Saúde Integral, em São Paulo.

4. Coma à noite, sim! - outro mito que precisa ser derrubado agora - e já vai tarde. Ficar sem comer à noite ou não comer carboidrato no jantar não vão trazer bem algum para sua perda de gordura, especialmente se você se exercita pela manhã. Só o café não vai dar conta de te alimentar o suficiente e, de novo, o organismo vai lá na massa magra pra procurar energia. “Não há diferença se você consumir carboidrato de dia ou à noite, desde que esteja em quantidade adequada. À noite, prefira alimentos menos calóricos, com baixo teor de gorduras e de fácil digestão”, aconselha Paula Castilho.
Não é difícil obter variações você precisa de uma dieta vegana, mas o melhor é aquele que fornece a abundância de proteínas, gorduras e hidratos de carbono. Tendo isso em mente para suas refeições diárias irá contribuir muito para o sucesso da sua dieta vegetariana plano de perda de peso. Vamos aprofundar mais sobre por que eles são tão importantes.
Estrelas da equipe brasileira de nado sincronizado nos Jogos Olímpicos do Rio, as irmãs gêmeas Bia, de 1,63 metro, e Branca Feres, de 1,65, mudaram de vida com o fim da competição. Adeptas de uma rotina espartana de treinos, elas se afastaram das piscinas e como consequência ganharam, em apenas três semanas, respectivamente, 6 e 8 quilos. Ao adotarem a dieta do jejum, secaram 6 quilos cada uma em três meses. “De manhã, passei a tomar só um café preto. E em dias mais corridos pulava o almoço. Ficava mais leve e mais disposta depois, mas sempre nos preocupamos com a escolha correta dos alimentos que consumíamos”, conta Bia, que voltou imediatamente aos treinamentos, mesmo que isso significasse se exercitar com a barriga roncando.
Jejuar diminui o nível de insulina em jejum. A presença de insulina inibe a lipólise, a liberação de triglicerídeos armazenados (gordura corporal). Sem a lipólise liberando a gordura corporal, é bastante difícil usar essa mesma gordura como combustível. Durante um jejum, a insulina em jejum diminui e a lipólise aumenta. Esse aspecto inibidor de insulina do jejum é que literalmente permite o sucesso do jejum, porque sem a habilidade de acessar a gordura corporal armazenada e usá-la como energia, conseguir passar por um período de zero ingesta calórica é praticamente impossível.
RIO - Dietas têm muitos nomes, mas a única que leva a uma radical perda de peso é a vegetariana. E isto vale especialmente para quem nunca fez. Esta é a conclusão dos médicos americanos Susan E. Berkow e Neal Barnard, depois de analisarem 40 estudos diferentes relacionando hábitos vegetarianos e massa corporal. Os dois notaram que as mulheres vegetarianas pesam de 6% a 17% menos do que as que são carnívoras. E o mesmo vale para os homens: os que não comem carne são de 8% a 17% mais magros. INFOGRÁFICO: O prato do brasileiro
A dieta tradicional dos praticantes de yoga tem sido uma dieta vegetariana. A dieta yoga consiste em frutas, vegetais, grãos e produtos lácteos. Uma vez que o corpo tenha aclimatado para tal uma dieta que não só pode sobreviver, mas também prosperar além de perda de peso, tudo ao mesmo tempo. A dieta de yoga é um plano de perda de peso vegetariana grande.
Uma outra limitação nos estudos que sugerem um impacto metabólico positivo do jejum é não serem claros quanto ao tempo ideal sem comer. É incerto se 16 horas de jejum é mais favorável do que 12 horas, por exemplo. Pessoalmente, e pelos motivos mencionados acima, sou favorável a jejuns nocturnos entre 10-12 horas, até ao pequeno-almoço do dia seguinte. Os ciclos de depleção/repleção do glicogénio hepático são reguladores periféricos do nosso relógio biológico. O fígado comunica o seu status energético com o cérebro através do nervo vago, e condiciona o seu próprio metabolismo. A sensibilidade à insulina e capacidade de captação da glicose aumenta substancialmente após um jejum de duração suficiente para depletar as suas reservas. E convém salientar que o glicogénio muscular não é afectado pelo prolongamento do jejum uma vez que apenas é mobilizado em situações de esforço físico. Em repouso o músculo utiliza preferencialmente ácidos gordos e glicose captada de circulação após refeições. Na verdade, a actividade física muda tudo, pois independentemente da hora em que ocorre, o pós-treino será sempre um momento importante para ingestão de hidratos de carbono e aporte significativo de energia.

Chá Verde Estimula o Metabolismo – O principal motivo é a enorme quantidade de potentes antioxidantes naturais presente no chá verde, as Catequinas. Essa substância está presente em maior quantidade no chá verde do que no Chá Preto ou o Chá Oolong (4). Destas Catequinas, o mais importante delas é o EGCG (Galato de Epigalocatequina), uma substância que ajuda estimular o metabolismo, o que favorece a queima de gordura (5).
Por isso, o chá preto também é o que possui maior ação termogênica. Este benefício ocorre da mesma forma que o que o chá verde. Ou seja, a bebida ajuda na perda de peso por conter cafeína e polifenóis. Isto porque a cafeína acelera o metabolismo e a queima gorduras. Enquanto as catequinas, tipos de polifenóis, reduzem o apetite e também diminuem as gorduras. O chá preto também irá inibir as enzimas que atrapalham a termogênese.

Durante um jejum, as células do corpo começam a realizar um processo chamado autofagia. Ao longo do tempo, as proteínas disfuncionais ou danificadas podem crescer dentro das células, e este processo de remoção de resíduos ajuda o corpo a eliminar esse excesso de material. Este processo é uma parte fundamental da capacidade do corpo de se reparar e se desintoxicar, e alguns pesquisadores afirmaram que o aumento da autofagia oferece um impulso na proteção de uma série de doenças, incluindo o câncer e a doença de Alzheimer.
Em conclusão, se já tivesse sido descoberto o método ideal de perda de peso, não continuaríamos em busca de novas abordagens. O essencial neste objectivo é que opte pela solução que melhor sirva a sua motivação, a sua preferência e a sua capacidade de a cumprir, pois os resultados poderão, na maioria dos casos, ser muito semelhantes entre as várias opções.
Alguns estudos clínicos já publicados sugerem que ingerir a maior parte das calorias na primeira metade do dia parece ser mais favorável para perda de peso comparando duas dietas de idêntico valor energético e diferente distribuição diária. E na mesma linha, mais eficaz a garantir um bom controlo glicémico e perda de peso em diabéticos. Dados epidemiológicos também corroboram a hipótese de que um consumo energético elevado ao final do dia se associa a maior ganho de peso, mas sem considerar o aporte calórico diário total. O nosso organismo responde a biorritmos bem orquestrados e definidos a nível central pelo núcleo supraquismático sensível à luz, e a “relógios periféricos” regulados por inputs nervosos e estímulos periódicos, como o simples horário das refeições e até o seu valor nutricional. Respondemos diferentemente a uma refeição mediante a altura do dia em que é ingerida pois as respostas fisiológicas variam de acordo com o nosso ritmo circadiano. De manhã o efeito térmico facultativo das refeições é superior, e a tolerância aos hidratos de carbono maior devido à necessidade de reposição do glicogénio hepático, gasto no período nocturno. O modelo de IF não é rígido quanto ao período ideal de jejum, mas a verdade é que por comodidade a maior parte das pessoas opta por o fazer no período da manhã, quando deveria ser precisamente ao contrário.
Quem gosta de ficar em forma sabe que o mais importante não é o número na balança e sim a porcentagem de gordura corporal. Um percentual "em forma" é de 21-24% para mulheres e 14-17% para homens, mas cada um tem seu próprio nível ideal. Independentemente de onde esteja agora, perder gordura corporal é um desafio puro e simples. Mas, com uma combinação de dieta, atividade física e hábitos conscientes de consumo de gordura, você pode chegar a seu percentual ideal.
De acordo com um novo estudo, publicado no ‘Journal of the American College of Nutrition’, essa alimentação acelera o metabolismo reduzindo fatores de risco da síndrome metabólica (conjunto de fatores de risco, essencialmente cardiovasculares, que têm por base a obesidade abdominal) e diabetes tipo 2, assim como contribui para o alcance da perda de peso almejada, melhora o controle da glicemia e aumenta a sensibilidade à insulina.
Descanse. De verdade. Você pode estar se sentindo uma usina de energia que não pode ser parada, mas seu corpo precisa de descanso. Principalmente se você estiver se dedicando a levantar pesos como se fosse um profissional, os músculos precisam de tempo para regeneração. Tire um dia de descanso. Você não precisa ficar sentado no sofá o dia inteiro, mas deixe seu corpo se curar.
O IF é muitas vezes defendido sob a premissa de ser prática corrente entre os nossos antepassados. A verdade é que não há forma de sabermos ao certo o padrão alimentar nos primórdios da nossa evolução, e existem até evidências paleontológicas de que os alimentos eram armazenados para consumo posterior. Seria também prática comum entre os guerreiros em batalha, sendo até um dos modelos mais conhecidos apelidado de “Warrior Diet”. Mas ao contrário da percepção romântica que idealiza o guerreiro pelo modelo Grego e Espartano de homem musculado, os relatos históricos caracterizam o guerreiro como um homem possante e “barriga proeminente”. Mais próximo do que eu próprio identifico na prática. Não podemos de forma alguma basear a nossa opinião em relatos de pessoas que seguem o Jejum Intermitente com sucesso, em particular nos aspectos mais superficiais como a composição corporal. Claro que o que lemos na internet está enviesado para os resultados positivos e não reflete a generalidade. Não que sejam falsos, mas existirão muitas outras pessoas caladas em que a experiência não foi assim tão boa. 
O assunto tem atraído tamanha atenção que, apenas em 2016, mais de uma centena de estudos foi publicada sobre o tema. A indústria farmacêutica vive uma verdadeira corrida a substâncias que induzam quimicamente o efeito provocado pelo jejum nas células para tratar de doenças que vão de câncer a diabetes, passando, claro, pela gordura em excesso. Não à toa, o jejum tem se transformado na opção preferencial de celebridades para alcançar a boa forma. Nos Estados Unidos, estrelas como Beyoncé, Gwyneth Paltrow e Salma Hayek já aderiram ao método. Por aqui no Rio, onde 55,7% da população sofre com o excesso de peso, o regime da boca fechada ganhou uma garota-propaganda em março do ano passado, quando a atriz Deborah Secco deixou os fãs estupefatos ao surgir linda e trincada de biquíni apenas três meses depois do nascimento de sua filha. Em entrevista, ela contou que secou ao adotar o regime do jejum logo após dar à luz Maria Flor, perdendo os 19 quilos decorrentes da gestação, ao comer apenas de 23 em 23 horas. Apesar de não haver consenso quanto ao tempo ideal de jejum, a experiência clínica mostra que, em alguns casos, jejuar por pelo menos seis horas já induz o processo de regeneração celular. “Há cinco anos, era só falar em jejum intermitente para começar uma polêmica entre apoiadores e a turma contrária. Agora a ciência já provou que é um recurso que controla bem a saciedade e de fato funciona”, diz o médico Rodrigo Moreira, membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). “Mas é importante lembrar que, quando se come, é fundamental ter uma refeição equilibrada, orientada, com todas as vitaminas e nutrientes necessários.”
Pratique exercícios. A melhor forma de perder peso de maneira saudável é diminuir a ingestão calórica e aumentar a queima de calorias por meio das atividades físicas. Todos os tipos de atividade aeróbicas são saudáveis e trazem melhoras nos sistemas cardiovascular, nervoso e imunológico, no humor, nas articulações e nos músculos.[10] Tente fazer 150 minutos desses exercícios por semana.
Em alguns casos, o especialista aconselha corrigir a alimentação antes de fazer o jejum intermitente. “Há pessoas que se alimentam de maneira incorreta há muito tempo e, quando começam a jejuar, se sentem para baixo, com fome e acabam condenando o método. Mas a culpa, nesses casos, é da alimentação. Antes do jejum ou ao mesmo tempo, é preciso adotar hábitos saudáveis.”

Ao diminuir este processo, o chá de hibisco contribui para que menos gordura fique acumulada na região do abdômen e nos quadris. Ainda não está claro qual é a substância presente na bebida que é responsável pelo benefício. Porém, acredita-se que a ação antioxidantes dos flavonoides antocianina e quercetina contribuem para reduzir o depósito de gordura.
×