Quem costuma fazer dietas conhece muito bem estes ingredientes, por serem alimentos termogênicos, ou seja, que elevam a temperatura do corpo e aceleram o metabolismo. Ao misturar uma colher de café de gengibre picado e meio pau de numa panelinha com uma xícara de água e deixar ferver por dez minutos, estarão a preparar um chá que aumenta a sensação de saciedade, reduz o apetite e ainda estimula a queima de gordura. Pode-se fazer um chá utilizando somente um deles, mas juntando-os estamos a potenciar os seus benefícios!
Todas as dietas para emagrecer têm em comum uma regra: deve-se ingerir bastante líquido. Isto porque beber água, chás e sucos favorecem a eliminação de toxinas, além de contribuírem para reduzir a retenção de líquidos. No caso dos chás, eles são importantíssimos nas dietas, pois colaboram na perda de peso, já que alguns possuem substâncias consideradas termogênicas.
Alguns nutrientes encontrados na alimentação de um vegetariano podem evitar várias doenças. "O único nutriente que precisa ser suplementado em uma dieta vegetariana é a vitamina B12", pontua Dr. George. Todos os outros nutrientes podem ser encontrados nos vegetais. Com isso a pessoa evita essa deficiência e garante os benefícios de prevenção de doenças crônicas e degenerativas como o infarto, derrame, hipertensão, diabetes, obesidade e algumas formas de câncer.
Para preparar esse chá e aproveitar os benefícios desse chá será necessário, colocar uma xícara de chá no fogo e deixar até que comece a ferver. Quando chegar a esse ponto é preciso desligar o fogo e adicionar uma colher de chá de erva de alecrim e deixar agir por no mínimo 10 minutos. Depois é só coar e beber ainda quente. O ideal é tomar três xícaras de chá por dia.
AdoçantesAçúcarCaloriasCancroCasos ClínicosCereaisCortisolDiabetesDistúrbios alimentaresDocumentáriosDoenças cardiovascularesEnvelhecimentoExercícioGenéticaGlútenHormona do crescimentoInfográficosInteresse geralLow-carbMitosNutrição e dietaObesidade InfantilOff-topicOvertrainingOvosPaleoPeso pesadoReflexõesSeminários e eventosSet-pointSonoStressSugestões de leituraSuplementosTestosteronaTiróideUncategorizedUnicórnios da NutriçãoWheyÓmega-3
Outro benefício proporcionado pelo jejum é a autofagia - a reciclagem das células mortas -, tema que garantiu o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia ao cientista Yoshinori Ohsumi em 2016. O pesquisador japonês estudou o processo de reciclagem das células quando a pessoa está em jejum. “Pode-se dizer que é uma espécie de ‘limpeza’ para se certificar de que o corpo está funcionando bem”, afirma Polesso.
Em termos de sua overallhealth, a inflamação é themain gatilho de muitas doenças, tais níveis de energia aslow, má assimilação dos nutrientes, má digestão, doenças cardíacas, câncer, problemas de estômago, dor nas articulações e problemas de coração. Não só alimentos de origem vegetal contribuem para a inflamação, mas eles também podem ajudar a reduzir a inflamação insideour corpo. As plantas são tanto uma prevenção e uma usefultreatment por esta razão especial.
Alguns dizem que é bom levantar pesos antes da atividade aeróbica, pois ela acaba com o estoque de glicogênio, e então quando chega a hora da musculação já não tem mais energia. E quando não consegue levantar os pesos não desenvolve massa muscular. No entanto, isso é mais importante para os fisiculturistas que buscam hipertrofia do que para quem só quer perder as dobrinhas na barriga.
Outro benefício proporcionado pelo jejum é a autofagia - a reciclagem das células mortas -, tema que garantiu o prêmio Nobel de Medicina e Fisiologia ao cientista Yoshinori Ohsumi em 2016. O pesquisador japonês estudou o processo de reciclagem das células quando a pessoa está em jejum. “Pode-se dizer que é uma espécie de ‘limpeza’ para se certificar de que o corpo está funcionando bem”, afirma Polesso.
Os pesquisadores acompanharam 74 pessoas com diabetes tipo 2. Os participantes foram divididos em dois grupos que receberam diferentes dietas, sendo elas uma típica dieta antidiabética, seguindo recomendações da Associação Europeia para o Estudo de Diabetes (EASD), e uma dieta vegetariana. A segunda opção consistia em frutas, vegetais, nozes, sementes, grãos e legumes, com produtos animais limitados a uma porção diária de iogurte com baixo teor de gordura.

O especialista afirma que uma das vantagens do jejum é que a queima de gordura ocorre sem a perda da massa muscular, também conhecida como massa magra. “A massa é mantida porque o jejum eleva o hormônio do crescimento e isso previne qualquer queima de músculo”, diz ele. Polesso explica que o músculo é um tecido metabolicamente ativo, ou seja, ele consome energia e caloria somente por existir. “Perder massa muscular não é adequado para o processo de emagrecimento.”


Nos dias de hoje e idade há um fluxo contínuo de novas dietas entrar no mercado, todos com o objetivo de tornar-nos parte com o nosso dinheiro para nos fazer tudo fino e evitar ser párias sociais. Algumas das dietas, tais como a dieta de indução (o estágio inicial da famosa dieta de Atkins) continue a ser popular. Em vez de saltar sobre a última moda dieta seria muito mais prudente para tentar resolver em um modo de vida que você pode facilmente e alegremente seguir para o resto de sua vida. Você vai se sentir mais orgulhoso de suas realizações também como você fez uma mudança em seus próprios termos.
Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.
Ciclo de carboidratos. A ciência por trás dessa linha, que é conhecida entre os adeptos como “ciclar carboidratos” é ter alguns dias na dieta com poucos carboidratos (cerca de 2 gramas por quilo de peso corporal) para fazer seu corpo entrar em estado de queima de gordura catabólico. Os dias de maior ingestão de carboidratos fazem o metabolismo acelerar, pois sem eles o processamento começa a parar.[3]

Obviamente, perder peso não é um passeio. Os médicos costumam dar à perda forçada de gordura corporal o nome de distúrbio eletrolítico. Quem já fez regime sabe que em um primeiro momento, além da fome abissal e do humor azedo, fazem parte do processo espasmos musculares, distúrbios intestinais, tontura, cãibras e outros efeitos desagradáveis. Com o tempo, entretanto, o organismo se acostuma às novas condições e passa a funcionar melhor — ou seja, paciência e disciplina são fundamentais. Em tratamento há quase um ano, a estudante de odontologia Isabela Miranda, 25, aderiu ao jejum nos últimos três meses. “Eu me dei conta de que muitas vezes comia apenas por hábito, não por necessidade”, diz ela, que passou de 76 para 47 quilos.

O ultimato foi dado em janeiro do ano passado. Aos 36 anos, o empresário Frederico Nantes era sedentário, hipertenso e estava à beira de cravar uma marca bem desagradável: 150 quilos redondos na balança. O colesterol e a glicose sob controle eram mantidos à custa de dez comprimidos diferentes ingeridos diariamente. Com uma rotina desregrada e estressante, o dono de uma produtora de eventos e árbitro da Federação Internacional de Atletismo não conseguia de jeito algum seguir uma alimentação balanceada. Tarimbado em dietas, já havia se embrenhado por quatro delas, sem sucesso. Até se apegar a um conceito absolutamente simples, mas aparentemente radical: para emagrecer, basta parar de comer. Na abordagem adotada com a ajuda de um médico, Nantes tirou proveito de um (mau) hábito: pular refeições. A diferença é que, quando comia, em vez de atacar produtos de fast-food ou uma pratada de macarrão, saciava o apetite com salada, acompanhada de carne, frango ou peixe. O resultado valeu a penitência. Depois de treze meses, enxugou 58 quilos e seu índice de gordura corporal passou de 52% para 12%. “Pulava o café da manhã e o almoço, de quatro a cinco vezes por semana. Ainda assim, conseguia fazer exercícios com regularidade”, conta. “Antes, tinha resultados muito modestos, que não me estimulavam a continuar”, diz o ex-gordo, feliz com seus 90 quilos distribuídos por 1,90 metro.
Mas a perda de peso nos vegetarianos tem um limite, que depende de cada metabolismo. Isso faz parte de um processo natural do próprio organismo, como lembra o endocrinologista Amelio Godoy-Matos. Quando a pessoa começa a restringir muito a alimentação, o corpo lança contrarreguladores do peso, ou mecanismos de proteção. O mais conhecido é a diminuição da produção de leptina, um hormônio produzido pela gordura corporal e que inibe a fome e aumenta o gasto de energia. Este contra-ataque mantém a fome e a pessoa não consegue sustentar a sua perda de peso. Risco de anemia, unha fracas e queda de cabelo
O chá verde possui forte ação termogênica. Isto ocorre por dois motivos. Primeiro, a bebida conta com cafeína em sua composição que tem efeito estimulante e contribui para a queima mais intensa de calorias, especialmente de gorduras. Além disso, o chá verde possui polifenóis que inibem a ação de uma enzima chamada catecol-O metiltransferase microssomal hepática. Quando a ação desta enzima é impedida a termogênese aumenta.
×