As estatísticas das organizações internacionais de saúde mostram que hoje morre mais gente no mundo em decorrência da obesidade do que de aids ou mesmo desnutrição. Da mesma forma, essa disfunção metabólica alavanca os custos de tratamentos médicos para problemas cardíacos, diabetes, hipertensão e outros males que dela decorrem. Daí a preocupação de governantes e autoridades sanitárias da maioria dos países, entre eles o Brasil, com o assunto. Na comunidade científica, pesquisadores se dedicam com cada vez mais afinco a entender os mecanismos ligados ao problema, não mais visto como uma questão de vaidade ou estilo de vida, mas sim como uma ameaça real a pessoas de todas as idades e classes sociais. Em outubro do ano passado, a Academia Real de Ciências da Suécia, que outorga a maior honraria científica do planeta, o prêmio Nobel, contemplou com a medalha de Fisiologia ou Medicina o biólogo japonês Yoshinori Ohsumi, que por duas décadas se dedicou a um estudo que, apesar de não estar ligado diretamente à questão do excesso de peso, abre as portas para se compreender o poder da prática sobre o corpo humano. Ohsumi avaliou os impactos do jejum intermitente nas células e descobriu que a prática não só estende a vida dessas estruturas microscópicas como também as estimula a trabalhar melhor, o que afeta positivamente todo o metabolismo e contribui para a eliminação daquela banha extra acumulada na forma de pneus em volta da cintura.
Em média, o peso que se perde durante o nosso programa de jejum e desintoxicação é entre 0,25kg e 0.5kg por dia. Algumas pessoas perdem mais, outras menos. Infelizmente, parece que aquelas pessoas mais desesperadas para perder peso, e que já tentaram muitos tipos de programas diferentes, acabam por ser aquelas com mais dificuldades em se livrarem dos quilos a mais. O nosso corpo é extremamente inteligente, e se já experimentou um ou mais programas de dietas, ele aprende a sobreviver com um mínimo de energia e quando é privado de alimentos entra num modo de sobrevivência e torna-se muito mais difícil perder peso.
Engana-se quem pensa que os chás, por serem naturais, não oferecem riscos à saúde se consumidos de forma errada. “O consumo exagerado dos chás sem orientação pode causar hipertensão ou hipotensão arterial, arritmia cardíaca, insônia ou gastrites. Alguns chás não devem ser consumidos por gestantes ou lactantes. Por isso, é interessante a prescrição de médico ou nutricionista antes de consumi-los”, lembra a nutricionista Sabrina.
×