«A principal vantagem de emagrecimento do chá prende-se com a hidratação. O consumo regular desta bebida melhora o funcionamento das células, acabando com alguns dos obstáculos e dos bloqueios à perda de peso», afirma Adélaïde d'Aboville, dietista e nutricionista francesa, que recomenda, contudo, um maior consumo dos chás pobres em teína, «como o vermelho, também apelidado de rooibos», sugere a especialista.
O chá de hibisco é preparado com o cálice do botão seco da flor chamada Hibiscus Sabdariffa, que não é aquela espécie de hibisco normalmente encontrada nos jardins. Esta bebida evita o acúmulo de gordura. Uma pesquisa publicada no Journal of Ethnopharmacology da Sociedade Internacional de Etnofarmacologia concluiu que o chá de hibisco é capaz de reduzir a adipogênese. Este processo consiste na maturação celular no qual as células pré-adipócitas se convertem em adipócitos maduros capazes de acumular gordura no corpo.
Com o objetivo de avaliar o potencial da perda de peso de cada grupo, todos os participantes tiveram suas dietas limitadas a 500 calorias diárias, menos do que precisavam para manter o peso. Depois de seis meses, aqueles que seguiram a dieta vegetariana perderam, em média, seis quilos, contra apenas três quilos a menos naqueles que seguiram a dieta convencional.
1. Faça, no mínimo, cinco refeições por dia - por mais que na teoria a maioria das pessoas saiba dessa regra, o que mais se vê por aí é gente passando fome para emagrecer. Metabolismo manda beijo e diminui o ritmo pra estocar. “O corpo passa a armazenar energia em vez de gastá-la. Além disso, você sentirá mais fome na próxima refeição“, lembra Paula Castilho, nutricionista da Sabor Integral Consultoria em Nutrição. Planeje cinco ou seis refeições ao longo do seu dia, com intervalos regulares. Uma hora antes de se exercitar, faça uma refeição leve com carboidrato e uma hora depois reponha carboidrato e acrescente uma proteína. Veja os alimentos que secam a barriga aqui.
Graduada pela USP, é especialista em saúde pública e mestre em gestão da clínica. Possui experiência em palestras e grupos educativos focados na prevenção e tratamento das doenças crônicas não transmissíveis e em atendimentos individuais personalizados. Apaixonada pela profissão, por novas experiências culinárias e por tudo o que leva a um estilo de vida saudável. Praticante de exercícios funcionais, Pilates e corrida nas horas vagas.
Tenha, no entanto, em conta que os alimentos com elevado índice glicémico provocam níveis altos de insulina, que "encorajam o corpo a armazenar gordura e aumentam o risco de cancro", justifica o autor. Além disso, quando a glicemia cai a pique, sente-se muita fome. É desaconselhado o boicote total dos hidratos de carbono e um elevado teor de proteínas permanentemente, uma vez que geram abandono da dieta.

O estresse oxidativo é causado por um desequilíbrio na produção do organismo de oxigênio reativo e suas defesas antioxidantes e pode levar a doenças crônicas e câncer. As moléculas instáveis, conhecidas como radicais livres, podem reagir com moléculas importantes como DNA e proteínas – danificando essas moléculas e criando um desequilíbrio. A redução de peso, provocada pelo jejum intermitente regular, pode levar a uma redução no nível de estresse oxidativo do corpo, ajudando a prevenir o desenvolvimento desses males.
Rodrigo Polesso conta que um dos passos seguintes é fazer com que os músculos se tornem mais sensíveis à insulina. “É um ponto adicional ao processo de melhoria da saúde”, conta. “A prática de exercícios físicos corretos, principalmente os de resistência (que trabalham os músculos), vai fazer com que eles fiquem mais sensíveis à insulina, absorvam melhor a glicose e também passem a ajudar a diminuir a gordura de forma natural”, explica.
Se isso soa dura ou mesmo irreal, considere a história do escocês. Lá em 1965, um escocês obeso de 27 anos e 205kg foi ao Departamento de Medicina em Dundee, Escócia, com um problema. Ele precisava perder peso. 1/8 de tonelada, para ser exato. Os doutores sugeriram que deixar de comer por alguns dias talvez pudesse ajudar. Era apenas uma recomendação improvisada, mas nosso escocês (conhecido apenas como "AB") realmente a adotou. Ele permaneceu no hospital por vários dias, tomando apenas água e pílulas de vitaminas enquanto se submetia a observações para garantir que nada de errado acontecesse. Quando seu tempo de internação acabou, ele continuou o jejum em casa, retornandoao hospital apenas para monitoramento regular. Após 1 semana, ele tinha perdido 2.2kg e se sentia bem. Seus sinais vitais foram chegados, a pressão estava normal, e apesar de ele ter glicemia mais baixa que a maioria dos homens, ele não se sentiu particularmente incapacitado por ela. O experimento continuou... por 382 dias.
Com base nos resultados, a dieta vegetariana pode fazer perder duas vezes mais peso do que uma dieta somente de restrição calórica. Na dieta vegetariana, 60% das calorias vieram de carboidratos, 15% de proteínas e 25% de gordura. Já na convencional dieta antidiabética, 50% vieram de carboidratos, 20% de proteínas e 30% de gorduras, limitando as saturadas em 7%.
O chá verde ainda age na composição de gorduras no corpo. Estudo preliminares apontam que uma das catequinas mais presentes no chá verde, a epigalocatequina galato, estimula diversas enzimas que controlam o metabolismo das gorduras e até incentivam a quebra delas. Assim, as gorduras são melhores utilizadas pelo nosso organismo e não ficam paradas no tecido adiposo.
×